Este site é desenvolvido por entusiastas e admiradores do artista Silvio Santos e não possui nenhuma ligação com empresas do Grupo Silvio Santos.

26 de mar de 2009

Histórias de Luis Ricardo - parte 2

O nosso amigo e apresentador do programa Geração 80 na Rádio Super Sucesso, Ricky Colavitto, poupou-nos do trabalho de escrever sobre a segunda parte da entrevista com Luis Ricardo, porque postou os melhores momentos da entrevista no YouTube.

Você vai poder ouvir da boca do próprio Luis Ricardo que foi verdade mesmo que já ligaram para o telefone do Bozo e mandaram o palhaço tomar naquele lugar...

Confira:

Luis Ricardo recebe as boas vindas e começa a falar sobre seu início de carreira e as suas origens circenses, num clima muito descontraído.


Luis continua lembrando de momentos seus no circo, e depois conta algumas histórias dos tempos de Bozo, fala dos micos, como quando tropeçou e caiu no palco, ficando sem a peruca por alguns instantes... no final, Luis agradece ao Baú do Silvio pelo texto que fizemos em sua homenagem.


Luis continua contando histórias fantásticas: agora, lembra do dia em que a dentadura da Vovó Mafalda caiu em cena, ao vivo, e todos caíram na gargalhada. E para relembrar sua carreira de cantor, ouvimos o Boogie do Bebê.


Luis fala sobre a difícil tarefa de substituir Silvio Santos em suas ausências, como aconteceu recentemente nos programas Roda a Roda e Tentação, e em seguida passa um trote telefônico em Simony, imitando a voz de uma criança.


Última parte: Luis Ricardo fala de seu projeto social Picadeiro Solidário, que ensina a arte circense para crianças carentes. É o seu grande projeto de vida.


Parabéns a Luis Ricardo e aos radialistas Ricky Colavitto e Fausto Fasan pela excelente entrevista.

20 de mar de 2009

Histórias de Luis Ricardo - parte 1

Como dissemos no texto anterior, Luis Ricardo foi entrevistado pelo programa Geração na Rádio Super Sucesso pelos radialistas Fausto Fasan e Ricky Colavitto.

Luis, bastante descontraído, agradeceu o que escrevemos sobre ele e contou histórias muito interessantes de sua carreira, algumas das quais reproduziremos aqui.

Filho de artistas de circo, desde pequeno esteve ligado ao mundo artístico. No circo de seu pai, chegou a se apresentar ao lado de Mazzaropi, que lá fez uma participação especial.

No SBT, Luis trabalhou com cachê até 1984, quando passou a ser contratado. Luis se tornou um dos intérpretes do palhaço Bozo, mas antes atuou como malabarista nos shows do palhaço americano, ainda interpretado por Wandeko Pipoka. Em janeiro de 1983, o seu último trabalho de free lancer no SBT acabou e Luis Ricardo pediu a Valentino Guzzo, como despedida, para realizar um sonho: apertar a mão de Silvio Santos. Luis foi ao encontro de Silvio, que estava no Teatro do Carandiru e Valentino fez as apresentações. Silvio elogiou os olhos verdes e a boa aparência de Luis, logo perguntando o que ele sabia fazer.




Luis respondeu que faia malabarismos, dublagens, shows circenses. Mas Silvio queria saber se Luis cantava, pois estava precisando de alguém para cantar o tema de uma nova novela que a emissora estava produzindo. Luis topou, e assim cantou o tema de Sombras do Passado, exibida pelo SBT entre 12 de janeiro e 23 de março de 1983, às 19h, baseada no original de Marisa Garrido, escrita por Tito di Miglio e dirigida por Antonino Seabra, e que tinha no elenco Martha Volpiani e Marcelo Gastaldi (futuros dubladores de Dona Florinda e Chaves, respectivamente) e Carlos Koppa (que contracenaria com Canarinho na Praça é Nossa).



E deu certo. Luis gravou quatro músicas da trilha sonora da novela: Sombras do passado (tema de abertura), Amor, Diga-me e Venha comigo amor.



Luis então foi disputar o Qual é a Música, e foi bem, vencendo durante algumas semanas, até que enfrentou Wagner Montes. Montes fez de tudo para mexer com os nervos de Luis Ricardo e o deixar desconcentrado. E conseguiu, assim, derrubá-lo! Silvio Santos percebeu a estratégia esperta e disse que, enquanto Wagner estivesse participando do Qual é a Música, Luis Ricardo ocuparia seu lugar na bancada. Dessa forma curiosa, ele começou a atuar no júri do Show de Calouros. Luis destacou Aracy de Almeida, Pedro de Lara e Décio Piccinini como os jurados que mais lhe ajudaram e ensinaram naquela fase.

A seguir: as histórias de Luis Ricardo na pele de Bozo!

Colaborou Jorge Luis Monteiro

16 de mar de 2009

Luis Ricardo: ele também é um homem do Baú

Luis Ricardo Monteiro tem um dos rostos e uma das vozes mais conhecidas do SBT. De família circense, destacou-se na emissora de Silvio Santos na pele do "maior palhaço do mundo", o Bozo. Luis foi um dos mais conhecidos intérpretes do personagem, que marcou época nas manhãs e tardes infantis do SBT nos anos 80 e final dos 90.

Ele mesmo se apresenta em seu site como um "artista versátil e de múltiplos talentos, capaz de despertar sorrisos, como no papel de palhaço Bozo; arrancar lágrimas emocionadas, como na entrega de prêmios do A Felicidade Bate a sua Porta; e principalmente de entreter pessoas, como nos programas Qual é a Música?, Show de Calouros e Roletrando".

Na televisão, Luiz Ricardo fez de tudo um pouco. No SBT foi ator, músico, cantor, repórter, apresentador e jurado de calouros. Figurinha carimbada em qualquer programa da casa em que houvesse uma gincana, entrevista, conversa ou debate, lá estava ele participando e se saindo bem.

Um dos quadros que marcaram época na domingueira de Silvio Santos foi A Felicidade Bate à Sua Porta, um concorrente do Caminhão do Faustão, exibido na emissora rival. Nele, a cada domingo um bairro era contemplado com uma visita de um caminhão-baú da empresa Granero repleto de prêmios, e uma carta era sorteada. Luis Ricardo era o repórter que dava a cara à promoção, entregando os prêmios. Num momento de grande expectativa, Luis conferia se o sorteado estava em dia com todas as prestações do carnê do Baú. Se estivesse, além do caminhão lotado de móveis e eletrodomésticos, ganhava um automóvel zerinho, zerinho!



Luis Ricardo tornou-se a cara do Baú da Felicidade nas ruas, enquanto Silvio Santos continuava sendo a cara do Baú nos palcos e a própria imagem da empresa. Em festas e inaugurações de lojas por todo o Brasil estava lá o ex-Bozo sorrindo e recebendo os clientes.

Nas férias ou eventuais ausências do Patrão nas gravações dos quadros do Baú, era Luis Ricardo que o substituía. Nessa condição animou o Festival da Casa Própria e o Roletrando, por diversas vezes. Com um jeito espontâneo e natural, não deixou a peteca cair e nem fez o público sentir que estivesse imitando o animador titular.

Este ano, Silvio teve um problema de rouquidão, escalando novamente seu pupilo para comandar o Tentação (no qual revezou a apresentação com o diretor de programas e apresentador Caco Rodrigues) e o Roda a Roda.

Luis Ricardo é um dos ilustres personagens que fazem parte do Baú do Silvio!

Calouros do Bozo, interpretado por Luis Ricardo, em 1990


Abertura do Show de Calouros em 1990. Luis Ricardo é um dos jurados.


Luis Ricardo apresentando o programa Tentação, em 2009


Na próxima quinta-feira, dia 19 de março, a partir das 22 horas, Luis Ricardo estará participando ao vivo do programa Geração anos 80, apresentado por Fausto Fasan e Ricky Colavitto. Será uma das raras oportunidades de conhecer um pouco mais a respeito desse artista e show man. E, certamente, muitas curiosidades serão reveladas. Não perca!
Para ouvir acesse www.radiojornaldeindaituba.com.br ou www.supersucesso.com.br ou sintonize a retransmissora da Super Sucesso em sua cidade.

15 de mar de 2009

Silvio Santos substituindo outros apresentadores

Texto de Jorge Luis Monteiro
Colaborou: Página do Silvio Santos


Um ícone como Silvio Santos já foi substituído em seus programas diversas vezes pelo seu irmão Léo Santos, Manoel de Nóbrega, Décio Piccinini, Gugu, Luis Ricardo pra falar dos principais.

E o inverso? Isso também já ocorreu, poucas vezes é verdade, mas foram bem marcantes.


Em 1983, depois do grande sucesso inicial com o programa musical-jovem Vamos Nessa, o apresentador Dudu França teve na época “ataques de estrelismo” e queria um aumento substancial de salário. Silvio, vendo que não poderia fazer loucuras com o SBT ainda jovem (menos de 2 anos), não aceitou e Dudu pediu demissão. Com esse “pequeno problema”, o animador resolveu comandar ele mesmo o programa, mantendo o sucesso por alguns meses.





Até que Silvio percebe que tinha uma moça na afiliada do SBT na Bahia que poderia fazer a atração de uma maneira realmente jovem e divertida, Mara Maravilha, que comandou o programa até o final em 1983.


No mesmo ano, novo problema, J. Silvestre, astro do programa A Mulher é um Show repentinamente sai da emissora e vai para a TV Bandeirantes com um salário milionário. Silvio, avisado no dia do programa pelo seu sobrinho Guilherme Stoliar, teve que salvar o dia mais uma vez, assumiu o comando do programa por alguns meses, tempo suficiente para fazer uma entrevista emocionante com a presidente da APAE, Jo Clemente, tão boa que foi reprisada no Teleton em 2004.




Devido o sucesso do programa, parecia que Silvio voltaria a fazer um programa semanal sem ser aos domingos, mas conseguiu recorrer a um velho amigo pra comandar o programa, Moacyr Franco.


Já em 1987, Silvio Santos estreou um programa, o Passe ou Repasse, uma gincana voltada pra pré-adolescentes, com muita movimentação e agilidade, que seria o substituto do clássico Domingo no Parque. O programa fez relativo sucesso, e no ano seguinte, Silvio, já pensando em parar com as 12 horas seguidas de programação, cedeu esse programa para Augusto Liberato, o Gugu, que o transformou em Passa ou Repassa, que ficou na grade da emissora em seu comando por mais de 5 anos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas