Este site é desenvolvido por entusiastas e admiradores do artista Silvio Santos e não possui nenhuma ligação com empresas do Grupo Silvio Santos.

19 de abr de 2009

Vamos abrir as portas da esperança!

Qual seria seu desejo mais íntimo, ou ainda o mais necessário naquele momento? Qual seria o grande sonho de sua vida?

Foi pensando dessa maneira que surgiu, em novembro de 1984 um dos mais marcantes quadros do Programa Silvio Santos, a Porta da Esperança.

Exibido geralmente às 18 horas da tarde, Porta da Esperança consistia em realizar os desejos das pessoas de uma maneira emocionante e sincera. Histórias reais e de impacto eram recebidas em cartas no endereço do SBT na Vila Guilherme, lidas e escolhidas minuciosamente toda semana pela produção liderada pela produtora-chefe Terezinha, fiel escudeira de Silvio Santos há mais de 30 anos.



O quadro não tinha vinheta de abertura. Silvio Santos entrava imediatamente em cena, ao som dos primeiros acordes de In The Stone, da banda Earth, Wind & Fire, e sua primeira ação era dar a deixa para Lombardi anunciar um patrocinador.

Logo em seguida, o primeiro participante escolhido já estava no palco para contar a sua história para o apresentador. O participante postava-se num local semelhante aos balcões de castelos medievais, enquanto o animador ficava embaixo, em posição inferior à do convidado, e comandava o papo sempre muito descontraído e aberto. E perguntava tudo da história para que o telespectador entendesse e ficasse na torcida para o sorteado conseguir seu prêmio, suas conversas engraçadas, mas sinceras com os participantes eram o charme do programa. Silvio conversava de maneira franca e íntima, às vezes relatando ocorrências pessoais, como quando uma participante se queixava de dores na coluna e o apresentador trocou experiências a respeito.

Depois do relato, acontecia o grande “clímax”. Silvio, em tom de suspense anunciava, acompanhado por uma vinheta sonora:
- Vamos abrir as Portas da Esperança!

Eis que as portas, semelhantes à de um castelo, um grande portal medieval, portentoso, emoldurado por batentes dourados e nas cores do arco-íris abriam-se e o prêmio aparecia, para delírio do sorteado e do auditório... ou não, para decepção total de todos. Quando a pessoa era agraciada, geralmente empresários benfeitores, artistas ou personalidades apareciam pra entregar o prêmio, realizar o sonho e divulgar o seu negócio.

Quando a porta abria sem ninguém aparecer, o animador explicava ao participante para não ficar preocupado, pois ele voltaria nas semanas seguintes até ganhar o seu desejo e a Terezinha e a equipe continuariam procurando.

Os pedidos eram dos mais diversos, dos mais modestos aos mais sofisticados: de um carro usado a um cachorro; de conhecer Gretchen a ganhar uma viagem de lua-de-mel; de brinquedos para doação a uma geladeira nova para guardar leite e insulina; de uma lavadora para lavar roupa para fora a um reencontro com um parente desaparecido, tudo poderia acontecer no programa. Esses pedidos demonstravam a simplicidade e a humildade daqueles que, cheios de esperança, escreviam suas cartas para os programas. Para a produção de Silvio Santos nenhum pedido era pequeno nem grande o suficiente que não merecesse alguma atenção. Coisas banais para muitos telespectadores, mas que para aquelas pessoas significavam muito para suas vidas.



Num dos momentos mais inusitados, uma participante explicou que seu sonho era conhecer pessoalmente o locutor Lombardi. Quando Silvio anunciou a abertura das portas, apareceu um vulto atrás de um biombo, e para espanto de todos, Silvio anunciou:
- Pode ir lá atrás e dar um beijo no Lombardi, somente ela vai conhecer, vocês telespectadores ficarão vendo só o vulto!

No final do programa, após 3 blocos de 10 minutos com três histórias apresentadas, aparecia uma vinheta com a imagem de um ator no papel de Jesus Cristo, com uma música religiosa, e as seguintes palavras:

Paz, amor, fé, esperança, luz e união. Não são apenas palavras.
Você tem certeza que já fez tudo que podia pelo seu semelhante?
Pense bem. Pois um dia vamos nos encontrar.
E eu gostaria muito de chamá-lo de meu filho.


Era um momento de reflexão que até hoje é lembrado pelos telespectadores, pela imagem forte e pelas palavras impressionantes.

Nos últimos anos do programa, o enorme pórtico dourado deu lugar a uma entrada mais moderna, tirando um pouco da imponência do antigo cenário. E também a famosa vinheta de Jesus deixou de ser exibida: era Lombardi quem anunciava que o programa tinha acabado e voltaria na semana seguinte.

Também naquela última fase era muito difícil as portas abrirem sem que houvesse alguém atrás delas. Nem que fosse para o próprio Silvio Santos resolver o problema. Uma vez, uma mãe de trigêmeos precisava de enxoval, berço, carrinhos de bebês e, ao abrir das portas, surgiu um porquinho gigante! Silvio explicou que o boneco era o mascote da Tele Sena, e era a Tele Sena quem estava dando os prêmios!



Depois de mais de 5 milhões de cartas e de quase 2 mil premiados, o programa encerrou suas apresentações em 1996, na época como o 2º mais visto da emissora, com médias de 25 pontos por domingo, perdendo apenas para o Show de Calouros. Porta da Esperança foi um quadro que mostrava o lado assistencialista de Silvio Santos, que deixava o povo realmente esperançoso de que seu desejo fosse realizado.

Atualmente, no Programa Silvio Santos é exibido o quadro Eu Preciso de Ajuda, que possui uma leve inspiração no quadro da Porta da Esperança. Aqui, no entanto, o tempo para os bate-papos entre Silvio e os participantes são mais curtos, e os prêmios são todos em dinheiro, e não materializados na forma dos sonhos das pessoas. Terezinha continua à frente da produção do quadro.

colaborou Jorge Luis Monteiro


YOUTUBE BÔNUS

alguns trechos da Porta da Esperança encontrados no YouTube





9 de abr de 2009

A moda do patrão

Aproveitando o sucesso do programa Esquadrão da Moda, às terças no SBT, vamos falar das roupas que Silvio Santos usa em seus programas de televisão. São ternos, jaquetões, blazers, coletes, calças, camisas e gravatas das mais variadas cores e estilos que o apresentador vestiu em seus quase cinquenta anos de carreira televisiva.

Na grande maioria das vezes em que comandou programas de televisão, Silvio Santos vestiu-se impecavelmente de terno bem cortado e gravata, elegante e sempre na moda. Exceção somente nos anos 70, quando, adepto à moda da época, usou jaquetas com grandes fivelas e aderiu ao estilo safári, com mangas curtas, mas sem nunca deixar de lado o seu microfone. Nos anos 80, certa vez perdeu uma aposta que havia feito e comandou o programa de camisa florida de turista, bermuda e meias 3/4, e em outra ocasião, vestiu-se informalmente em sua histórica participação na estréia de A Praça é Nossa (7 de maio de 1987).

Silvio é do tempo em que o terno e a gravata eram usados pelos apresentadores como sinal de respeito ao telespectador. Outros como Flávio Cavalcanti usavam trajes de gala, pois estar diante do público era um ato verdadeiramente solene e exigia toda a deferência. Nos primeiros anos, os próprios telespectadores se vestiam com roupas "de missa" para assistir televisão, imaginando que pudessem ser vistos pelos artistas.

Atualmente, somente os jornalistas se apresentam de terno e gravata, para dar o tom de seriedade necessário a esse tipo de programa. Silvio Santos, por sua vez, sempre defendeu o terno e a gravata e aconselhou seus pupilos Gugu e Celso Portiolli a também vestirem-se dessa forma. Além disso, esse tipo de roupa cai bem nele.

E mesmo vestido com trajes formais, o Patrão provou que a roupa séria não o tornava mais sério, e aprontou das suas, caindo, montando em burros, sentando no chão, se molhando...



As roupas de Silvio eram feitas sob medida, confeccionadas pela Camelo ou pelo alfaiate D'Carlos, que ele costumava citar durante os programas. Silvio disse certa vez que pegava as roupas, usava e depois "mandava entregar aos pobres".

Hoje, Silvio veste Ricardo Almeida e Camargo Alfaiataria, as principais referências em roupas sociais masculinas da atualidade. A modernização e atualização do guarda-roupa é iniciativa do seu figurinista pessoal, Paulo Federico.

Na foto ao lado, tirada da revista Contigo!, Paulo Federico ajeita os últimos detalhes na roupa de Silvio Santos antes de entrar em cena no Troféu Imprensa de 2010.

A seguir, apresentamos uma galeria com 25 "looks" do Homem do Baú, em diversos programas e épocas diferentes, que permitem notar as mudanças que seu guarda-roupa sofreu. Clique nas fotos para ampliá-las.

















Texto atualizado em 20/03/2010 e 16/04/2010
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas