Este site é desenvolvido por entusiastas e admiradores do artista Silvio Santos e não possui nenhuma ligação com empresas do Grupo Silvio Santos.

17 de nov de 2009

Teatro Silvio Santos, o templo do auditório

Em 1978, Silvio Santos gravava seus programas no Teatro Manoel de Nóbrega, um antigo cinema localizado na Rua Cotoxó, 1021, no bairro da Pompéia. O Teatro havia sido reformado com um sistema de prevenção de incêndios, mas de nada adiantou: numa noite, o térreo e o primeiro andar do edifício de três pisos foram consumidos por um incêndio que se iniciou horas após o término da gravação de Cidade Contra Cidade, destruindo praticamente toda a estrutura técnica.

Na semana seguinte ao incêndio, Silvio Santos comandou seu programa de forma improvisada no palco do Palácio das Convenções do Anhembi. Mas logo teria um novo palco: comprou o Cine Sol, um antigo e decadente cinema de bairro, localizado na Avenida General Ataliba Leonel, 1772, no bairro do Carandiru, não muito distante dos estúdios da Vila Guilherme. Foi reformado e batizado de Teatro Silvio Santos, mas também chamado de Teatro da TVS.

Cine Sol em foto dos anos 60 e Teatro Silvio Santos em foto de 2009. Clique para ampliar


O Teatro aproveitava a estrutura daquela antiga sala de cinema que tanta diversão deu ao bairro do Carandiru. O prédio de 1956, com 1300 m² de área construída, na sua adaptação para estúdio de televisão passou a ter a seguinte configuração: 600 m² de área artística principal, com pé-direito de 12 m, sendo 9 de área útil; 2 estúdios auxiliares de 100 m² cada; 4 camarins (2 foram construídos numa reforma realizada em 1989); lanchonete; cozinha; toiletes e ambulatório. No piso superior estão duas salas administrativas; uma sala de produção, subdividida com divisórias; uma sala da presidência; switcher; central técnica e central de exibição unificadas; toiletes e um elevador adicionado na reforma de 1989.

Os pequenos estúdios auxiliares, posteriormente foram utilizados também como camarins. Ali devia ser a famosa "sala dos milagres", onde as colegas de trabalho que se davam mal na prova do xampu de ovo do Topa Tudo por Dinheiro ganhavam um trato para tirar a meleca.

Estas imagens ilustram a grandeza do palco do Teatro Silvio Santos


Ar condicionado, forração termo-sonora e saídas de incêndio também foram melhorias trazidas em 1989. E em 1993 nova reforma foi realizada para instalação de uma nova central técnica. Em 1994, era a vez das velhas câmeras azuis de tubo plumbicon RCA TK-46 darem lugar às Ikegami HK-377, ainda hoje utilizadas no estúdio 6 do CDT da Anhanguera.

Veja abaixo os croquis do Teatro Silvio Santos, com a indicação de todos os espaços do imóvel, em seu térreo e andar superior. Havia ainda mais um piso, no qual se localizava um terraço para as antenas e a lavanderia. Clique para ampliar.





No térreo está indicada a parte elétrica, que consiste nos rolamentos de ligação de força dos equipamentos fundamentais do estúdio da televisão, como VTs, dimmers, monitores, receptores, caixas, cenários com luzes, etc.

Ainda na parte técnica, o teatro contava com 8 canais de VT, sendo 5 usados pra câmeras (até 1986, eram 4 canais) e duas torres de som mono, condensadas na mesa para obter som estereo, trabalho a cargo dos sonoplastas Aguinaldo de Barros, Alfonso Aurin e Kenji Shibata. O som estéreo só viria nos anos 90, pois na época da instalação dos equipamentos era importado e caro.

Nas fotos abaixo, o repórter José Roberto Rocha mostra o auditório e o caminhão de externas (ENG) utilizado para a transmissão ao vivo no Teatro, que ficava estacionado na rua. Também há um flagrante da grua durante gravação do Viva a Noite e da técnica durante gravação da Praça é Nossa.


Adaptado e pronto para se transformar em palco não apenas para Silvio Santos, mas também para os programas de auditório da nova emissora TVS, Canal 4 de São Paulo, o antigo cinema de bairro com capacidade para 1.514 espectadores, contando platéia e balcão, viu seu balcão se transformar em central técnica de televisão e a platéia transformar-se em 300 moças e senhoras: o auditório mais feminino e animado do Brasil!



Uma das características do auditório era a sua decoração com luzes e círculos formando arcadas. Elas ficavam nos fundos e nas paredes, e eram marca registrada da presença de Silvio no meio das colegas de trabalho. Em alguns programas as luzes eram desligadas ou cobertas por tapadeiras com outros desenhos, como no Viva a Noite e na Praça é Nossa. Nos anos 90, as luzes foram removidas e deram lugar a desenhos geométricos ou a cédulas gigantes de dinheiro, no quadro Topa Tudo Por Dinheiro.



Em dias de gravação ou transmissão ao vivo, desde a madrugada a movimentação era grande nos arredores do Teatro. Ônibus desembarcavam as caravanas nas calçadas, caminhões traziam os cenários da Rua dos Camarés, onde se localizava o departamento de cenografia. Silvio Santos e os demais artistas e convidados entravam pela entrada dos camarins, pela Rua Azir Antônio Salton, uma estreita rua de paralelepípedos. Essa entrada, aliás, ficou conhecida em 1989, pois ali os repórteres ficavam de plantão para tentar entrevistar Silvio na saída das gravações, no auge da campanha presidencial na qual o Homem do Baú era candidato.

Não raras vezes a Rua Azir Antônio Salton e a Avenida General Ataliba Leonel eram interditadas para a realização de brincadeiras na rua. A área externa do Teatro era frequentemente usada em programas como Viva a Noite e Domingo Legal e também por Silvio Santos.

Para se ter uma ideia, o Papai Noel já desceu de helicóptero em plena Avenida General Ataliba Leonel, recepcionado por Gugu Liberato e Bozo em "A Descida do Papai Noel", especial exibido em 1982.

Memoráveis foram os desfiles malucos promovidos no Viva a Noite, as gincanas do Domingo Legal e as brincadeiras do Topa Tudo por Dinheiro. Aqui temos um bom registro de Silvio comandando uma prova do Topa Tudo por Dinheiro na Rua Azir Antônio Salton.

Pode-se ver a parede lateral do Teatro e uma pequena aglomeração de curiosos que teve a sorte de ver Silvio bem de pertinho. Na outra foto pode-se ver ao fundo a padaria Sol, localizada na esquina ao lado do Teatro, e onde funcionários, produtores, artistas e caravanas costumavam matar a fome.
















Em 1987 e 1988, a novela Carmem da Rede Manchete levou o Teatro Silvio Santos para além do SBT. Na trama, a personagem Creuza, vivida por Bia Sion, participou do Namoro na TV. Atores da novela fimaram com Silvio Santos no teatro junto de participantes reais e as cenas foram exibidas pela emissora concorrente.

Em 1989, o filme Os Trapalhões na Terra dos Monstros levou o Teatro Silvio Santos às telas do cinema. Cenas de um musical de Angélica ao lado de Gugu, bailarinas e auditório, no cenário do programa Viva a Noite, fizeram parte da história. Angélica fez o papel de uma adolescente que foi cantar no programa e participar do quadro do Sonho Maluco, desejando gravar um clipe com o Dominó na Pedra da Gávea. O Dominó também fez uma performance musical no palco, para o filme.



Uma perigosa aventura se deu quando Gugu e Thalia, acompanhados por um séquito de seguranças e produtores, saíram por uma janela do segundo andar do edifício para a marquise do Teatro Silvio Santos, a fim de acenar para a multidão que esperava ver a estrela mexicana. Por sorte, nenhum acidente ocorreu nessa arriscada experiência.


  O SBT cresceu e o Teatro Silvio Santos começou a ficar pequeno demais para as necessidades da emissora. Um antigo sonho começou a se tornar realidade: a unificação das unidades Vila Guilherme, Teatro, Sumaré e Anhangüera em uma só na Anhangüera, com a construção da Cidade da Televisão. Em 1996, no aniversário de 15 anos do SBT, o CDT foi inaugurado. O Teatro Silvio Santos aposentou-se como estúdio de televisão no ano seguinte, com o Concurso de Paródias, apresentado por Moacyr Franco.

Na sua fase final, o Teatro ainda serviu de palco para a estréia de Celso Portiolli. Depois de desativado, o Teatro Silvio Santos foi usado pra testes, inscrições e ensaios. No auditório o velho cenário losangular ainda está montado e as cadeiras estavam todas no lugar, exatamente como foram deixadas em 1997. Isso pôde ser comprovado em 2001, quando Roque foi entrevistado no auditório pelo programa Falando Francamente. No palco, está apenas um cyclorama branco (parede curva que dá impressão de fundo infinito).

 Recentemente o site São Paulo Abandonada, que registra prédios antigos na Grande São Paulo clicou o Teatro, mostrando que está bem conservado, inclusive ostentando em seu topo ainda o logotipo do SBT e uma nova pintura azul. Em 2011, o teatro passou a ser utilizado como depósito e loja de saldão do Baú da Felicidade. Com isso, as cadeiras do auditório foram removidas, talvez, para sempre.

VEJA FOTOS RECENTES DO INTERIOR DO TEATRO, AQUI.

 O Baú do Silvio homenageia, assim, todos aqueles que trabalharam ou freqüentaram o Teatro Silvio Santos, palco de grandes alegrias e emoções durante os primeiros 15 anos de SBT.

  Agradecimentos pelas imagens atuais do Teatro: Douglas Nascimento (site São Paulo Abandonada) Agradecimentos especiais pelas informações técnicas do Teatro: Carlos Guerra Miguel Duboviski Jr. atualizado e revisado em 14.7.2011.

13 de nov de 2009

Chame pelo apelido



Silvio Santos teve muitos apelidos durante sua vida. Alguns conserva até hoje; outros ficaram no passado mas são ainda lembrados. Vamos conhecer alguns:

ABRAVANEL
Silvio Santos era chamado por seu sobrenome verdadeiro entre os companheiros da Escola de Paraquedistas de Marechal Deodoro, nos tempos de serviço militar. Em setembro de 1980, quando Silvio estava em Brasília, fazendo contatos para a concessão dos canais da extinta Tupi, foi assim chamado pelo Ministro da Aeronáutica Délio Jardim de Mattos, seu superior no quartel, que imediatamente o reconheceu.

CENOURINHA
Era esse o apelido do animador nos tempos de escola. Trata-se de um trocadilho infantil com o nome verdadeiro de Silvio, Senor.

CHEFE
Esse apelido é novo. É assim que sua filha número 3, Daniela Beyruti, diretora-geral do SBT, se refere a ele para os internautas que a seguem no Twitter. Daniela é sempre elogiosa e demonstra tremenda admiração e vontade de agradar ao "chefe".

HOMEM DO BAÚ
Se fosse o apelido de qualquer outra pessoa, poderíamos pensar se tratar de um terrível vilão que põe medo em criancinhas, como o homem do saco. Mas não é nada aterrorizante, pois o baú em questão é o Baú da Felicidade, empresa que deu origem ao Grupo Silvio Santos, e cuja imagem se confunde com a do próprio empresário.



HOMEM-SORRISO
Apesar de pouco empregado atualmente para identificar Silvio, esta alcunha ainda é bastante lembrada. No final dos anos 60, o Programa Silvio Santos, com pouco mais de 8 anos de existência, já era um tremendo fenômeno de audiência, líder absoluto em São Paulo e também chegando ao Rio de Janeiro. E já nessa época, a publicidade da TV Globo anunciava o animador do Canal 4 carioca e do Canal 5 paulista como o Homem-Sorriso da televisão brasileira.

NECO
Aparecida Honoria Abravanel, a Cidinha, foi a primeira mulher de Silvio Santos. Sua mãe, Dona Gina, era dona de uma pensão, para onde Silvio se mudou após o casamento. A forma carinhosa pela qual Cidinha chamava seu amor era Neco, uma contração de "boneco". Sempre preocupada com o marido, mesmo hospitalizada, Cidinha não deixava de perguntar ao seu Neco se ele havia tomado o café-da-manhã. Ela faleceu de câncer aos 38 anos.

PATRÃO
Parece que quem começou a chamar Silvio de Patrão foi a jurada do Show de Calouros Elke Maravilha. Elke chegou ao programa vinda do Cassino do Chacrinha, no qual chamava o Velho Guerreiro de Painho, de maneira muito afetuosa, mas com Silvio teve uma relação de um pouco mais de afastamento, mas sempre com muito respeito e profissionalismo, o que explica a alcunha de Patrão. Os demais jurados e até o Lombardi passaram a chamar Silvio assim, até que Silvio começou a não achar mais graça, pois a brincadeira dava um ar de superioridade que não lhe agradava, e o apelido foi caindo em desuso, embora sempre fosse lembrado. Voltou com força total recentemente, com Lívia Andrade.

PATRÃOZINHO
Maísa com frequência tem se dirigido ou falado de Silvio desta maneira, tanto em seu programa quanto no palco ao lado do animador.

PERU QUE FALA
Silvio começou a trabalhar na Rádio Nacional de São Paulo ao lado daquele que se tornaria seu pai profissional e grande amigo, Manoel de Nóbrega. Além da rádio, animava shows de circo e tinha sua caravana de artistas. Passou a viver rodeado de figuras como Ronald Golias, Carlos Alberto de Nóbrega, Canarinho e Moacyr Franco, amigos próximos, que trabalhavam juntos e viviam a aprontar boas peças uns contra os outros. Silvio ficava muitas vezes envergonhado, quando estava no ar pela rádio lendo um texto em tom sério e cutucavam-lhe e chegavam ao ponto de baixar suas calças para desconcentrá-lo. Ou quando, diante da platéia dos shows, ficava um pouco nervoso. Nessas situações, ficava com o rosto muito vermelho. Golias logo o apelidou de Peru Que Fala, e esse ficou sendo praticamente seu segundo nome artístico. Tanto é que a primeira marchinha de carnaval que gravou era intitulada "Marcha do Peru", e sua trupe de artistas passou a ser conhecida como a Caravana do Peru Que Fala.



SILVIO
Pois é, Silvio também é um apelido. Sua mãe, Rebeca Abravanel, não gostava muito do nome Senor, pois achava muito formal, e desde pequeno sempre preferiu chamá-lo de Silvio.

SILVIO SANTOS
Silvio explicou a Arlindo Silva no livro A Vida Espetacular de Silvio Santos (editora L'Oren, 1972) que certa vez, participando de mais um dos inúmeros concursos de locução em rádio em que concorreu, desta vez no programa de calouros de Jorge Cury, identificou-se ao produtor como Silvio. Mas Silvio de quê? Silvio Santos, porque os santos ajudam, respondeu o garoto, num estalo. Inventou na hora o nome artístico que o acompanharia pelo resto da vida.

SISSI
A forma diminutiva do nome do Silvio foi usada esporadicamente. Rodolfo e ET, por exemplo, no quadro do Domingo Legal em que diziam que iriam acordar Silvio Santos, assim se referiam a ele. No atual Programa Silvio Santos é Lívia Andrade quem adotou esta forma de chamar o seu Patrão.

TIO SILVIO
Xuxa, a Rainha dos Baixinhos, assumia-se "sobrinha" do Homem do Baú. Quando Silvio lhe enviou um telegrama parabenizando-a pela conquista de mais um Troféu Imprensa, Xuxa agradeceu, no ar, pela Globo, ao "Tio Silvio". E assim se referiu a ele quando o encontrou pessoalmente no palco do Show de Calouros.

Esqueci de algum apelido do Silvio? Então me avise para que eu possa acrescentar!

atualizado em 20.3.2011
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas