Este site é desenvolvido por entusiastas e admiradores do artista Silvio Santos e não possui nenhuma ligação com empresas do Grupo Silvio Santos.

20 de mar de 2009

Histórias de Luis Ricardo - parte 1

Como dissemos no texto anterior, Luis Ricardo foi entrevistado pelo programa Geração na Rádio Super Sucesso pelos radialistas Fausto Fasan e Ricky Colavitto.

Luis, bastante descontraído, agradeceu o que escrevemos sobre ele e contou histórias muito interessantes de sua carreira, algumas das quais reproduziremos aqui.

Filho de artistas de circo, desde pequeno esteve ligado ao mundo artístico. No circo de seu pai, chegou a se apresentar ao lado de Mazzaropi, que lá fez uma participação especial.

No SBT, Luis trabalhou com cachê até 1984, quando passou a ser contratado. Luis se tornou um dos intérpretes do palhaço Bozo, mas antes atuou como malabarista nos shows do palhaço americano, ainda interpretado por Wandeko Pipoka. Em janeiro de 1983, o seu último trabalho de free lancer no SBT acabou e Luis Ricardo pediu a Valentino Guzzo, como despedida, para realizar um sonho: apertar a mão de Silvio Santos. Luis foi ao encontro de Silvio, que estava no Teatro do Carandiru e Valentino fez as apresentações. Silvio elogiou os olhos verdes e a boa aparência de Luis, logo perguntando o que ele sabia fazer.




Luis respondeu que faia malabarismos, dublagens, shows circenses. Mas Silvio queria saber se Luis cantava, pois estava precisando de alguém para cantar o tema de uma nova novela que a emissora estava produzindo. Luis topou, e assim cantou o tema de Sombras do Passado, exibida pelo SBT entre 12 de janeiro e 23 de março de 1983, às 19h, baseada no original de Marisa Garrido, escrita por Tito di Miglio e dirigida por Antonino Seabra, e que tinha no elenco Martha Volpiani e Marcelo Gastaldi (futuros dubladores de Dona Florinda e Chaves, respectivamente) e Carlos Koppa (que contracenaria com Canarinho na Praça é Nossa).



E deu certo. Luis gravou quatro músicas da trilha sonora da novela: Sombras do passado (tema de abertura), Amor, Diga-me e Venha comigo amor.



Luis então foi disputar o Qual é a Música, e foi bem, vencendo durante algumas semanas, até que enfrentou Wagner Montes. Montes fez de tudo para mexer com os nervos de Luis Ricardo e o deixar desconcentrado. E conseguiu, assim, derrubá-lo! Silvio Santos percebeu a estratégia esperta e disse que, enquanto Wagner estivesse participando do Qual é a Música, Luis Ricardo ocuparia seu lugar na bancada. Dessa forma curiosa, ele começou a atuar no júri do Show de Calouros. Luis destacou Aracy de Almeida, Pedro de Lara e Décio Piccinini como os jurados que mais lhe ajudaram e ensinaram naquela fase.

A seguir: as histórias de Luis Ricardo na pele de Bozo!

Colaborou Jorge Luis Monteiro

Um comentário:

  1. Tive o prazer de trabalhar com meu grande ícone de infância: Luís Ricardo.

    Cresci assistindo o Bozo no SBT, e quando adulto realizei um sonho trabalhando como Palhaço Bozo no Baú da Felicidade em shows e inaugurações ao lado de Luís Ricardo.

    Ele foi muito legal comigo, me apoiou bastante!

    André Luiz o Bozo do Baú
    www.bozohistoria.cjb.net

    ResponderExcluir

Atenção:

Comentários anônimos poderão ser excluídos.

Os comentários são moderados. Os editores se reservam ao direito de excluir comentários ofensivos, injuriosos, agressivos ou não condizentes com a postura editorial e a proposta deste blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas