Este site é desenvolvido por entusiastas e admiradores do artista Silvio Santos e não possui nenhuma ligação com empresas do Grupo Silvio Santos.

4 de ago de 2011

Isto é Incrível!



A história abaixo, originalmente em inglês (e com uma tradução mequetrefe d'O Baú do Silvio), foi narrada pelo jornalista Chris Pritchard, é totalmente verídica. Aconteceu na Austrália.

Chris conta a história de uma garota de 12 anos de idade que, com muita coragem, enfrentou um crocodilo para salvar a vida de seu amigo e depois dirigiu durante horas pelas estradas e florestas escuras até conseguir socorro.

Um fato tão impressionante que comoveu o país e também sensibilizou a rainha da Inglaterra, Elizabeth II que, como também é rainha da Austrália (integrante da comunidade britânica), fez questão de condecorar a garota por seu ato de bravura.

Peta-Lynn Mann recebeu do governo australiano as seguintes condecorações: Star of Courage (Estrela da Coragem) a Medalha de Ouro Clarke e o Troféu Rupert Wilks, estas, das mãos da rainha.



Mas o motivo de estarmos contando esta história fantástica neste blog é que ela foi uma das mais emblemáticas narradas por Silvio Santos no quadro Isto é Incrível do Show de Calouros.

No dia 9 de outubro de 1988, em um programa dedicado às crianças, porque se iniciava a celebração do dia da criança no SBT, Silvio Santos resolveu contar ao público esta história inspiradora. Exercitando seu talento de locutor, expôs toda a dramaticidade e emoção do episódio, enquanto cenas da dramatização da história eram exibidas.

Assista aqui ao Isto é Incrível que conta a história de Peta-Lynn Mann e, se se sentir interessado, leia o relato abaixo.



Quando subiu no jipe naquela tarde brilhante de 17 de abril de 1981, a jovem australiana Peta-Lynn Mann, de 12 anos, estava muito animada. Menos de uma hora antes, ela chegara de um internato em Darwin para sua casa. Agora ela estava indo passear no campo tropical ela tanto amava.

Região abundante em vida selvagem, porcos, búfalos, crocodilos e uma variedade de pássaros. Ali os pais dela, Wendy e Robert Mann, montaram um negócio de caça e safári turístico. O Manns estavam fora, por isso o amigo da família, Hilton Graham, de 23 anos, estava cuidando de Peta-Lynn. "Nós vamos capturar um porco para um churrasco na ilha" disse ele. E deu a partida no caminhão, descendo para Palm Springs, um ponto a 20 km de distância da casa. Embora chamada de "a ilha", a área era ligado ao continente por uma estreita faixa.

Eles chegaram a uma parada na clareira de uma figueira, perto de onde mantinham ancorado um aerobarco (barco cuja hélice se localiza acima da água, semelhante a um hovercraft, muito utilizado na região).

Graham, alto e forte, empurrou a embarcação para fora nas águas turvas do pântano. Ele jogou a espingarda nas costas, equilibrou o barco e Peta-Lynn também embarcou. Acelerando, partiram adentro da selva de árvores e trepadeiras, na esperança de surpreender e abater um porco selvagem. Peta-Lynn na proa, olhava a vegetação densa, quase não se atrevendo a falar acima de um sussurro.

De repente, em torno de 17h30min, o barco encalhou nos baixios. Graham livrou-se da espingarda e entrou na água para empurrar o aerobarco para uma área mais profunda. Ao se movimentar, sua pistola caiu do coldre e afundou no pântano.

Então Graham se ajoelhou e tateou no fundo lamacento. "Vou amarrar o barco e dar-lhe uma mão", disse Peta-Lynn, descendo da embarcação.

Splash! Graham surpreendeu-se com um som repentino atrás dele. Ele se virou e viu-se diante das emormes presas de crocodilo de quase quatro metros de comprimento, sua boca aberta como uma armadilha gigante. Quando levantou seu braço esquerdo em um gesto de defesa, as linhas de dentes do enorme animal se fecharam e Graham sentiu uma dor lhe queimando.

O crocodilo, com suas mandíbulas firmemente presas no braço de Graham, começou a rolar, mas por alguma razão, se soltou. Graham engasgou na angústia. "Socorro! Peta!" Ele gritou para a menina. Um pensamento desesperado passou pela cabeça de Graham: que poderia fazer uma menina de qualquer maneira?

Graham se levantou de joelhos com o crocodilo selvagem em seu encalço. Agora o réptil virou-se de lado e atacou de novo. Suas mandíbulas apertaram a coxa direita do homem que foi puxado muito mais vigorosamente do que antes. O sangue jorrava de seu antebraço. Ele tentou desesperadamente manter-se firme na lama. A menos que pudesse segurar, o crocodilo o levaria para baixo em águas mais profundas. Ele sabia que o crocodilo giraria o corpo muitas vezes, apertando suas presas antes de rasgá-lo em pedaços.

Graham já podia sentir o poder inacreditável do réptil, à medida que seus pés escorregavam mais longe da segurança da terra firme. Estendeu o braço direito à garota e gritou: "Peta! Segure firme!"

Peta Lynn não sentia medo agora. Ela nadou de volta para água escura e chamou: "Espere, Graham!" A água estava até os joelhos. Então ela estendeu a mão e agarrou o braço do amigo com ambas as mãos. Ela plantou os pés no pântano, joelhos flexionados e puxou com toda sua força. Era como um cabo-de-guerra, e caso ela não ancorasse, ele iria morrer.

Depois do que pareceu ser um longo tempo e que na verdade durou apenas um minuto ou dois, de repente o crocodilo fez um giro completo sob a água, puxando Graham. Peta-Lynn foi puxada também, mas ainda segurando o braço do amigo. O crocodilo poderia facilmente afogar os dois, mas ao menos ela lutou. Corrigindo-se, ela procurou um ponto de apoio no fundo, e puxou com toda a força novamente. O crocodilo abriu suas mandíbulas o tempo suficiente para que Graham começasse a se soltar.

A água chegou acima da cintura nesse momento, mas ela se manteve firme, mesmo quando o incansável crocodilo arrastava Graham sob a água. Peta-Lynn tinha visto o desespero em seu rosto, e pensou que tinha perdido a batalha. Mas continuou puxando.

De repente, o crocodilo parou seu movimento. Peta-Lynn sentiu-se caindo para trás no pântano arrastando Graham em sua direção. A cabeça do homem, ofegando por ar, emergiu da água turva. O réptil ainda o segurava, mas inexplicavelmente o deixou ir e afundou para as profundezas.

Peta-Lynn buscou energias para puxar Graham para a margem. Ele cambaleou para fora, atordoado, com o rosto mortalmente branco. O sangue escorria do seu braço e coxa.

Eles mal tinham dado dois passos quando o crocodilo rompeu a água novamente com um esguicho ruidoso. Ele agarrou descontroladamente na nádega direita de Graham, e conseguiu rasgar a carne através de suas calças. Mas Peta-Lynn deu um vigoroso puxão e o réptil gigante perdeu sua força e caiu para trás. Poças de sangue na água tingiam de vermelho o local onde o animal ainda armava um ataque, seus olhos acima da superfície, observando.

Peta-Lynn e Graham caminharam cerca de 50 metros para longe da água, longe o suficiente, ela esperava, não para o crocodilo atacar novamente. Graham mal conseguia se mover fraco de choque e perda de sangue. Peta-Lynn encostou-o contra o tronco da árvore. Sua camisa estava em frangalhos do ombro até a manga; calças estavam rasgadas aos farrapos. "Espere aqui", disse ela, "eu trarei o jipe."

Ela correu dois quilômetros ao longo de uma trilha na selva, depois voltou através do campo aberto guiando o veículo.

Felizmente, quando ela tinha oito anos, Graham lhe havia ensinado a conduzir em campo aberto. Agora, ela assumira o volante do jipe, a fim de levar o amigo de volta o mais rápido que pudesse, percorrendo o terreno acidentado. Graham estava mancando em direção ao caminhão, quando ela veio em cima dele. Ela saltou e ajudou-o para o banco do passageiro. Ele deitado ali do seu lado esquerdo, ferido na coxa e nádega e com o braço dilacerado.

às 6h05min, já anoitecendo, eles avistaram de novo a casa. A poucas centenas de metros de chegar lá, Graham desmaiou. Peta-Lynn pegou a mão do volante e apertou-lhe. Graham gemeu e a menina disse: "Você não vai morrer em cima de mim, não é?"

Graham grunhiu uma resposta inaudível, em seguida, desmaiou de novo. Pouco antes de chegar em casa Peta-Lynn, ele começou a gemer, "Não morra, Graham! Não morra!" Peta-Lynn soluçou.

Seu desespero lhe despertou. Graham agora convocou toda a sua força e respondeu: "Morrer? O inferno me espera."

Não havia ninguém em casa, mas Graham arrastou-se até o rádio e chamou Weltered Homestead, a 70 quilômetros de distância. "Fui atacado por um crocodilo e estou sendo levado ao hospital. Peta vai me levar até Darwin. Enviem alguém da Labelle ao nosso encontro..." Labelle Homestead era sua cidade natal e onde vivia sua família.

Na cozinha, Peta-Lynn pegou uma lata de pó anti-séptico. Ela borrifou o pó sobre as feridas de Graham e as envolveu numa toalha. Ela decidiu não perder tempo atando suas feridas e começou a dirigir o mais rápido possível até o hospital.

Finalmente. Peta-Lynn viu luzes na distância. Era a mulher de Graham, June-Ellen, Townsend, e seu irmão Henry em um carro, seguido por um segundo veículo. às 7h45min, Graham e Peta-Lynn foram colocados no carro de June e partiram para Darwin. A cada minuto perguntava se Graham continuava bem e consciente.

Logo após as 11 horas, eles pararam na emergência do hospital de Darwin. Graham foi levado para a sala de operações onde lhe foi dado sangue, bem como injeções de antibióticos e analgésicos. Duas fraturas no antebraço esquerdo foram tratadas. Depois de uma semana, enquanto ele ficou no hospital, Peta-Lynn o visitava antes e depois da escola.

"Ela é maravilhosa, menina valente", disse Graham. "Ela tinha consciência do perigo que era enfrentar os crocodilos. Quando eu estava enfrentando a morte, arriscou a vida para me salvar."

Totalmente recuperado, Graham muitas vezes retornou ao pântano de Palm Springs. Crocodilos são territoriais, ele sabe. E enquanto ele não reencontra seu algoz, imagina que continua sendo vigiado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção:

Comentários anônimos poderão ser excluídos.

Os comentários são moderados. Os editores se reservam ao direito de excluir comentários ofensivos, injuriosos, agressivos ou não condizentes com a postura editorial e a proposta deste blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas