Este site é desenvolvido por entusiastas e admiradores do artista Silvio Santos e não possui nenhuma ligação com empresas do Grupo Silvio Santos.

19 de ago de 2011

Câmera, close!



Um dos assuntos que mais me atraem falar nesses 30 anos do SBT são os equipamentos técnicos da emissora. Já falamos dos microfones, dos estúdios, da grua, do teatro... ainda falta falar das viaturas (em breve mostraremos diversas pinturas diferentes dos veículos de externa e reportagem dos anos 80) e agora chegou a vez das câmeras.


As câmeras que equipavam os estúdios da Central de Produções da Vila Guilherme e do Teatro Silvio Santos eram basicamente câmeras de tubo plumbicon marca RCA, modelo TK-46, com lentes Schneider-Kreuznach, caracterizadas por sua coloração bege-cinza e suas faixas azuis e pretas (essa pintura vinha de fábrica). Além destas, havia outras utilizadas em externas e nos ombros de operadores, notadamente modelos portáteis americanos da RCA e japoneses da Ikegami.

As primeiras câmeras TK-46 chegaram em 1978 em substituição às TK-45, um modelo anterior, que foram perdidas no incêndio do Teatro Manoel de Nóbrega, na Pompéia. Depois que este auditório se incendiou, a TV chegou ao antigo Cine Sol, no bairro do Carandiru. Inicialmente, as câmeras TK-46 tinham sido encomendadas para equipar a TV Record, que na época pertenciam ao Grupo Silvio Santos.

As TK-46 estiveram presentes no Teatro Silvio Santos entre 1978, ano de sua inauguração, até meados de 1994, quando foram substituídas por modelos Ikegami HK-355A, equipamentos muito mais modernos. Desde então, as velhas RCA foram para o almoxarifado técnico e, depois, algumas delas passaram a ficar em exposição permanente na Galeria da Fama, espécie de museu dedicado à emissora, num dos saguões do Centro de Televisão da Anhanguera.

A família de câmeras TK-44 a 46 foi uma das mais bem sucedidas linhas de gravação profissional da RCA no mundo inteiro. O modelo TK-45, muito parecido com o 46 e com ele confundido até pelo SBT, que assim identificou a câmera numa placa na Galeria da Fama, também foi utilizado pela emissora e, no México, fez as gravações de Chaves e Chapolin, na metade final da década de 70, na Televisa.



Duas câmeras encontram-se expostas no SBT. Uma delas possui um número 1 dentro de um círculo vermelho, característico das câmeras utilizadas no Teatro Silvio Santos, e a chamaremos de #1. A outra não possui número algum identificando-a, podendo ter sido usada na Vila Guilherme.



A #1 era muito utilizada na grua do teatro, realizando tomadas aéreas do palco e do auditório. Também aparece ao fundo de uma famosa imagem do documentário Silvio Santos, uma história de sucesso, de 1981, em que Silvio Santos se dirige aos seus funcionários do Grupo.




A #2 e principalmente a #3 eram mais utilizadas no centro do auditório, registrando o plano aberto do palco. Aqui, vemos a #2 durante gravação do Domingo Legal em 1993.



Com a aposentadoria das velhas RCA TK-46, as câmeras japonesas Ikegami com lentes Fujinon passaram a dominar o espaço e melhoraram a imagem do SBT. A HK-355A a substituiu no teatro e na grua em 1994.


Essas câmeras ainda estão em operação no estúdio 6 do CDT da Anhanguera, sendo as mais antigas do SBT, e são utilizadas no Programa do Ratinho e no Casos de Família.

3 comentários:

  1. Muito boa matéria. Gostaria de saber se alguém sabe onde posso encontrar essas cameras antigas.
    preto e branco ou color. grato

    ResponderExcluir
  2. Olá,gostaria de parabenizar o blog pela iniciativa. Fiquei feliz por ler e relembrar muita coisa, porque a história do SBT se confunde com a minha, uma vez que meu pai, minha mãe e eu trabalhamos muitos anos nesta casa, e o mais legal, nossos nomes estão no seu blog!
    Bom, vou direto ao assunto, gostaria de contribuir com algumas informações sobre estas câmeras da RCA,porque operei estas câmeras tanto no teatro da Ataliba, como na vila e me lembro ainda criança da chegada delas EM 1977 lá na Rua Cotoxó no teatro Manoel de Nóbrega quando meu pai era diretor de imagens (tv)lá.
    No começo de 1975 a TV Gazeta de SP canal 11 trouxe dos Estados Unidos uma unidade móvel completa da RCA a cores,uma loucura na época equipada com 6 câmeras TK 45 (cinza escuro, com viewfinder fixo) com controle eletrônico de zoom e lente angenieux, as nossas da TVS nunca tiveram isso,USAVAM ZOOM MECÂNICO, TIPO UMA ESTRELA QUE SE VÊ NAS FOTOS NA MÃO DIREITA DO FERNANDINHO QUE É QUEM A OPERA NAS FOTOS E LENTE SCHNEIDER KREUZNACH ALEMÃ COM ESTÁGIO DE 1.5) 01 maquina de vt TR 600 e um Switcher TS 70 (TENHO MUITAS FOTOS DESTA CARRETA AQUI EM CASA)e tinha a melhor equipe de operadores da época para trabalhar com ela (meu pai era o diretor de tv dela,por isso foi pra TVS DEPOIS). A Gazeta a alugou durante anos para a Rede Globo.
    Enfim, pra encurtar, o Silvio viu, adorou e comprou uma também, com uma configuração mais simples: 04 câmeras TK 45, uma máquina de vt AMPEX AVR 2 e um switcher American Data com 2 M/E´S.
    Em Setembro de 78, o teatro Manoel de Nóbrega pegou fogo e só sobrou a câmera 4. O Silvio já tinha comprado mais 04 câmeras da RCA para a TV RECORD DE SP, elas já eram do modelo mais novo TK 46,bege com listras azuis e pretas e viewfinder móvel, o que foi outra loucura,pois ninguém tinha TK 46, tanto é que até hoje o único lugar que tinha TK 46 era a TVS, todos os outros tinham TK 45.(Cultura,Globo,Gazeta e Band).
    Seguindo, o Silvio pegou "emprestado" as 46 da RECORD em 78 para ir pra Ataliba e nunca mais devolveu! rs
    Por isso do erro na plaqueta na TK 46 que está exposta hoje no CDT da Anhanguera,alguém da época se lembrou das 45 da Cotoxó e sem querer escreveu errado.
    Uma passagem triste que percebo é o fato de terem vendido esta unidade que durante anos, meu pai, eu e tantos outros passamos dentro trabalhando,foi vendida a preço de banana em um leilão com equipamento e tudo! E nessa, a TK 45 do teatro Manoel de nóbrega e umas duas ou três TK 46 da vila (que não tem seus números adesivados) e do teatro da Ataliba(que tem círculos vermelhos com seus números) foram também embora, com seus controles de zoom e fones de comunicação (reparem que as expostas no CDT estão peladas sem isso). Fico imaginando aquele caminhão completo, como em 77 parado no museu do CDT, que peça hein?
    Bom, é isso abraço e continue com o blog!
    Fuiiiii

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo seu valiosíssimo comentário! Adoraria poder ver algumas dessas fotos da carreta, se puder colaborar comigo, meu email é hamilton@juventus.com.br

      obrigado!

      Excluir

Atenção:

Comentários anônimos poderão ser excluídos.

Os comentários são moderados. Os editores se reservam ao direito de excluir comentários ofensivos, injuriosos, agressivos ou não condizentes com a postura editorial e a proposta deste blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas