Este site é desenvolvido por entusiastas e admiradores do artista Silvio Santos e não possui nenhuma ligação com empresas do Grupo Silvio Santos.

22 de fev de 2008

Sonhei que o SBT tinha feito uma parada...

O ano era mil novecentos e oitenta e sete.
O dia, doze de outubro, dia da Padroeira, feriado nacional.
O local, a cidade de São Paulo, capital do Estado homônimo, originária da vila de São Paulo de Piratininga, fundada pelos padres jesuítas em 1554.
O trajeto, entre o Aeroporto Internacional de Congonhas e o Palácio de Convenções do Anhembi, passava pelas Avenidas Rubem Berta e Vinte e Três de Maio, o Vale do Anhangabaú, a Avenida Tiradentes, e a Praça Campo de Bagatelle, onde está a réplica em tamanho natural do 14 Bis.
O horário, dez da manhã. Mas desde as seis horas já tinha gente se aglomerando nas ruas da capital paulista. Para quê?

Pra ver Silvio Santos e todo o elenco do SBT (naqueles tempos, chamado também de TVS) na Parada do Dia das Crianças. Um dos eventos mais incríveis e inesquecíveis realizados por uma emissora de televisão no Brasil, consagrando seus artistas e os trazendo para bem perto do público. Tanto que chegou a ser indicada ao Troféu Imprensa de ‘Momento mais marcante do ano’. O evento ainda se repetiu por um ano, chegando a levar mais de dois milhões de pessoas para as ruas de São Paulo.

Segundo reportagens da época, Sílvio conseguiu uma consagração de fazer inveja a qualquer político, impressionando tão positivamente os partidos, que candidatou-se à presidência do Brasil em 1989. Silvio Santos encerrava o desfile, de pé a bordo de um Mustang vermelho conversível, acompanhado da mulher, Iris, e cercado por dez guarda-costas com camisetas com o logo da TVS. Tirou fotos com criancinhas no colo e beijou colegas de trabalho histéricas pela emoção de se aproximar dele. Tanta comoção só se viria novamente em 2001, quando o Homem do Baú foi tema do carnaval da Escola de Samba Tradição na Sapucaí, ao vivo na TV Globo.

Os personagens de Walt Disney foram o destaque da Parada em 1988, quando Mickey Mouse comemorava seus 60 anos de criação. Uma jogada da Disney que uniu o útil ao agradável. A Turma da Mônica também participou do evento, em outra ocasião. Como escreveu Guilherme Guidorizzi em seu Central de Notícias (http://centraldenoticias.wordpress.com/2007/10/13/momento-retro-parada-do-dia-das-criancas/), a Parada do Dia das Crianças reunia além dos apresentadores e contratados do canal, carros alegóricos imitando os cenários dos programas. Silvio Santos, Bozo, Vovó Mafalda, Jô Soares, Gugu Liberato, Mara, Feliz, Ary Toledo, Carlos Alberto de Nóbrega, Hebe, Simony, Sérgio Mallandro, o elenco da Praça é Nossa e os jurados do Show de Calouros eram alguns que participaram da Parada.

Em 1988, a parada ocorreu no dia 10 de outubro, uma segunda-feira. Nesse dia, o SBT exibiu um episódio inédito de Chaves: O Dia das Crianças. E criou uma tradição, creio que jamais quebrada: todo dia 12 de outubro esse episódio é repetido. O encerramento do episódio é um videoclipe da canção "É Aqui", em que se cantam os versos "Sonhei que o SBT tinha feito uma parada / E vi com emoção a platéia que assistia... E quem dela não participou / Tristinho então ficou / Esperando o ano que vem". Mais à frente, outros versos diziam: "Depois o Mickey Mouse apareceu / E acenou pra todo mundo que veio participar". O refrão não podia ser mais claro: "É aqui, é aqui / No maior auditório do país! / É aqui, é aqui / O Dia das Crianças é aqui!".

A versão original dessa música é "Cri Cri", composta por Roberto Gómez Bolaños (Chespirito), autor, mentor, criador e intérprete do Chaves, para homenagear o radialista mexicano Francisco José Gabilondo Soler (http://tinhaqueserochaves.50webs.com/cricri.html), muito querido pelas crianças, e não tem nada a ver com a versão adaptada pela dublagem brasileira (leia-se estúdios MaGa, Marcelo Gastaldi e Mário Lúcio de Freitas).

E outra música importante a ser lembrada é o tema da parada: "Pequeno Mundo", versão para o português de "It's a Small World", por Rogério Cardoso, também usada no Domingo no Parque:
"Para ser feliz / É preciso ter / Este mundo azul / Da imensidão / É fazer das tristezas estrelas a mais / E do pranto uma canção / Há um mundo bem melhor / Todo feito pra você / É um mundo pequenino / Que a ternura fez"

O YouTube não nos brindou com muitas imagens de arquivo da Parada do Dia das Crianças. As que sobreviveram ao tempo e a lembrança são as que mostramos abaixo.

Aqui vemos imagens de arquivo narradas por Lombardi, para o programa Eu Compro o Seu Televisor.


O vídeo da campanha presidencial de Silvio Santos em 1989. Aparecem imagens dele da Parada.


Junto com várias imagens de arquivo do SBT, aparecem várias cenas da Parada de 1987.


Em 2008 mais uma vez foi relembrada a Parada, desta vez no Quem Não Viu, Vai Ver. Uma matéria bem completa, porém sem mostrar imagens de Silvio Santos.

15 de fev de 2008

Pedro de Lara, lá...

Durante mais de duas décadas Silvio Santos apresentou esse programa clássico que, durante muito tempo, encerrou o Programa Silvio Santos e era líder de audiência. O Show de Calouros.

Um formato bastante convencional, nada de inovador. O júri não era novidade na televisão brasileira, nem o concurso de aspirantes a estrelas de televisão. Mas este foi o programa de calouros mais marcante, além dos programas do Chacrinha. Esse tipo de show surgiu no rádio, e o nome "calouros" foi utilizado em alusão aos trotes que recebiam os calouros da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. Os apresentadores gostavam de judiar dos calouros que fracassavam, gongando-os, buzinando-os ou jogando-lhes meleca, coisa típica de programas americanos.

Mas não vamos falar do programa, e sim de seu prefixo musical. Dois temas tornaram-se famosos na abertura do Show. A mais antiga era o tema "Cosa Nostra". Silvio Santos dava a deixa para o "disc-jóquei" e repetia a ladainha, chamando os jurados a tomarem seus lugares na mesa: Haroldo de Andrade... é Coisa Nossa! Barros de Alencar... é Coisa Nossa... Mas que vai, vai / Mas que vai, vem!

"Cosa Nostra" é uma adaptação da canção de Jorge Ben de mesmo nome. Saiu assim no disco "Silvio Santos e Suas Colegas de Trabalho", em 1974.

Na época em que batalhava pela concessão dos canais de televisão, Silvio cantava "O Figueiredo é Coisa Nossa" e "O Golbery é Coisa Nossa", procurando manter as boas relações com o Presidente da República João Figueiredo e o Ministro da Casa Civil Golbery do Couto e Silva.

Do nosso acervo, vem o vídeo do YouTube da abertura completa do Show de Calouros de 1981, exibido pela TVS e pela TV Record, em que são chamados os jurados e é mencionado o nome de Figueiredo, na musiquinha "Cosa Nostra".



Mas a música que fez a fama do programa, lembrada até hoje, mesmo com o programa fora do ar há mais de dez anos é outra... não sei por qual razão a maioria das pessoas começa cantando "Pedro de Lara, lá...", se o primeiro a entrar no palco era o Silvio Santos...

Essa música estreou em 1984, deixou de ser usada quando houve a mudança de nome para Show de Variedades, em 1992, substituída pela canção Shalom, e retornou quando o programa migrou para as tardes de sábado e passou a ser apresentado pelos jurados, em revezamento, sem Silvio Santos e como o nome original restaurado.

A ordem clássica de entrada dos jurados, após o Silvio, era a seguinte:

  1. Sérgio Mallandro
  2. Décio Piccinini
  3. Sonia Lima
  4. Aracy de Almeida
  5. Pedro de Lara (ou Nelson Rubens)
  6. Wagner Montes (ou Luis Ricardo)
  7. Flor (ou Mara)

Com a saída do Mallandro, Pedro de Lara passou a ser o primeiro a entrar, carregando seus lírios brancos. Em seguida aos jurados, Silvio fazia a chamada do auditório "mais feminino do Brasil" e do locutor Lombardi ("o Lombardi agora vai falar"), que lia o texto de algum dos patrocinadores.

A música-tema foi inspirada na música folclórica russa "Dorogoi Dlinnoyu" ("A Longa Estrada", em tradução literal), que pode ser vista no YouTube. Essa canção ganhou versão norte-americana, mais famosa e mais conhecida, "Those Were The Days', na versão feita pelo compositor americano Gene Raskin, cuja gravação mais marcante é a de Mary Hopkin.

Claro que também houve versões nacionais da melô do Show de Calouros. Marcelo Costa, Nalva Aguiar e Joelma foram alguns dos artistas brasileiros que gravaram uma versão de Those Were The Days, por aqui chamada de "Aqueles Tempos". A de Joelma foi a gravação mais conhecida. Cante no ritmo:

"O tempo que passou / Não conseguiu matar / O amor que eu / Insisto em recordar / Eu sei que não valeu / O que você e eu / No Nosso amor / Deixamos florescer"

Letra completa aqui.

Em 1988, A Nova Turma do Balão Mágico, nova formação do grupo que existiu entre 1983 e 1986, agora com as gêmeas Natanna e Tuanny (filhas da cantora Adriana) e Rodrigo, irmão de Vanessa, do Trem da Alegria, surgia para tentar um espaço no concorrido mercado das músicas infantis dos saudosos anos 80 (que contava, entre outros, com com o Grupo Chocolate, Jairzinho & Simony, A Patotinha, Sérgio Mallandro, Algodão Doce, A Turma do Lambe-Lambe, Atchim & Espirro, Os Trapalhões, Fofão, Xuxa e Trem da Alegria. A Nova Turma lançou dois LPs, sendo que a última faixa do primeiro disco era "Era Uma Vez", uma versão infantil de "Those Were The Days" feita por Aloysio Reis e Biagra.

Vai, maestro:

"Era uma vez alguém / Que me faz muito bem / E o que ela diz / A todos faz feliz / E com você aqui / Nunca me sinto só / Me conta outra história, minha vó"

Veja a letra completa aqui

Os saudosos fãs do Show de Calouros aguardam com ansiedade os boatos que sempre aparecem, de que o programa voltará à grade do SBT, com Silvio Santos. Foi o mais marcante dos quadros apresentados no PSS, por seus jurados, por seus calouros e, principalmente, pela condução de Silvio, no auge da forma e aproveitando toda a liberdade de seu próprio canal de televisão. Silvio, nesse programa, dançava, cantava, ria, se emocionava e até fazia discursos políticos... foi quando, recuperando-se do problema nas cordas vocais que quase encerrou sua carreira, quis seguir a carreira política. Deixemo-la para outra ocasião.


Abertura do Show de Calouros - 1990
Note que a Condessa Giovana é a atual Mamma Bruschetta, do Mulheres da TV Gazeta.


Abertura do Novo Show de Calouros - 1993
Com a jurada Vovó Mafalda!


Abertura do Novo Show de Calouros - 1995
Último cenário do Show... Wagner Montes não desce a escada, entra pela lateral, em razão de sua perna mecânica.


Obrigado ao pessoal que está comentando as postagens! Isso é muito importante para nosso conteúdo ficar cada vez mais completo.

13 de fev de 2008

Vinhetas do SBT - última parte

Agora sim vamos dar um desfecho à trilogia das vinhetas interrompida pela saga dos microfones do Silvio Santos, aliás, um assunto muito curioso.

Já analisamos minuciosamente as vinhetas institucionais da TVS e do SBT, procurando dar crédito aos artistas e programas que foram apresentados, bem como os respectivos links para o YouTube.

Chegou a vez de falar de vinhetas especiais, que mexiam com as emoções do público telespectador.

anos 80 - Encerramento das Transmissões - http://www.youtube.com/watch?v=lePTHbNuTr4
Da tela da televisão surge o mapa do Brasil visto do espaço. Um satélite despeja o sinal do SBT sobre as cidades em que a emissora opera, identificadas por pontos de luz no mapa. Muitas crianças tinham muito medo dessa vinheta ou não entendiam nada, fazendo as mais bizarras interpretações. Umas achavam que o Brasil estava pegando fogo e o satélite era um chuveirinho, jogando água, enquanto outras simplesmente achavam que o satélite era uma lata velha com a tampa aberta derramando algo sobre a Terra... desde 1996 essa vinheta não é mais exibida.

anos 80 - A mensagem do Senhor - http://www.youtube.com/watch?v=kmHXAUddxbw
Outra vinheta que dava medo, muito medo na criançada. A molecada virava a cara para o lado quando aparecia Jesus Cristo, interpretado por um ator, dando sua mensagem de paz, amor, fé, esperança, luz e união, tendo como cenário apenas a penumbra e a iluminação de um holofote. O que mais assustava as crianças era a ameaça de Cristo: "um dia vamos nos encontrar". Além disso, elas juravam de pés juntos que Jesus dava uma piscadinha, o que era ainda mais assustador.
Essa vinheta que passava todos os domingos, depois da Porta da Esperança, como um edificante momento após a exibição daquele programa emocionante.
Certa vez achei no Orkut a informação de que o ator que fez o famigerado papel de filho do Homem vive em Mogi das Cruzes, SP, mas não encontrei a citação para colocar aqui.

anos 80 - Vinheta de Natal - http://www.youtube.com/watch?v=APcvaah6YIw
Depois de ficar com medo as crianças sonhavam com a neve, os presentes e o Papai Noel. "Luz que traz/O Natal/Traga ao mundo/A eterna paz" é o jingle meigo e inocente que traz saudades a muita gente, na voz de Sarah Regina e Mário Lúcio de Freitas, que fez a produção musical (mais uma vez). As imagens são de desenho animado, e mostram uma casinha em meio à neve, com a lareira acesa e a árvore de Natal, tipicamente americana. Somente ao final surge o logotipo da emissora, como assinatura.
No vídeo "original" aparecia o símbolo da TVS, mas o vídeo continuou sendo usado até 1994, quando já surgia a locução: "são os votos do SBT". Eu digo "original" entre aspas porque esse vídeo é americano, veio não se sabe como e foi reaproveitado por aqui.

O assunto vinhetas está encerrado. Em breve postaremos mais sobre algum outro assunto curioso do SBT ou do Silvão.

NOTA
A postagem sobre as marchinhas de carnaval recebeu uma atualização ontem à noite. Recebi um e-mail de Vitor Gentil Bellot, neto do compositor Gentil Junior, que compôs Transplante Corinthiano em parceria com Ruth Amaral e Manoel Ferreira. Ele nos passou algumas informações sobre a música para enriquecer nosso blog.

AGRADECIMENTO
Valeu, Vitor Gentil Bellot! E obrigado a todos que têm visitado o blog e dado seus pitacos... Jorge Luís, Igor C. Barros, pessoal da comunidade SBT Oficial e Original do Orkut...

8 de fev de 2008

O Microfone do Silvio Santos - parte 2

Uma vez já sabido qual é o modelo e a marca do microfone utilizado pelo Silvio Santos, um Sennheiser MD 405S, já convidamos o leitor a reparar com atenção no topo do microfone, local no qual se localiza o logotipo quadrado da Sennheiser, que comprova ser esta a fábrica do aparelhinho famoso.

Agora passemos a outros assuntos não menos interessantes.

A SIMBOLOGIA DA ORATÓRIA

Estudos de comunicação audiovisual destacam a importância e a simbologia do microfone no universo de Silvio Santos. Segundo o estudo de Suzana Kilpp, professora e pesquisadora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, no curso de Comunicação Digital , "há muito tempo já, o corpo eletrônico de Silvio Santos se fez voz, em relógios, em narração de histórias em CD, em outros jogos e brinquedos que são subprodutos da empresa de Senor Abravanel. Aliás, no SBT, a voz, a fala e os microfones são uma das partes importantes de sua identidade, muito mais do que as imagens e câmeras".

A análise foi retirada de um ensaio sobre o reality show Casa dos Artistas (disponível aqui), em que se destaca o aspecto personalíssimo de Silvio na condução desse programa, incluindo seu dom de orador. Além disso, o balcão que utiliza para se apoiar e o plano americano entremeado por cortes com imagens do auditório carregam no aspecto da imagem e da voz do apresentador.

O microfone grande e antiquado para os dias de hoje é "vestido" por Silvio com orgulho, senão já teria se desfeito dele. Nele estão guardadas as referências de suas origens na vida artística, como locutor de rádio. Não à toa ele sempre creditou à voz seu sucesso junto ao público.


OUTROS APRESENTADORES TAMBÉM USARAM O MICROFONE

Vamos listar aqui os felizardos que ostentaram em seus peitos, qual medalha de honra ao mérito, este símbolo da televisão.


1. CHACRINHA


Abelardo Barbosa de Medeiros também veio do rádio, mas assumiu um jeitão espalhafatoso, diferentemente de nosso herói, que sempre procurou vestir-se com ternos bem cortados. Um microfone idêntico ao de Silvio foi usado por Chacrinha durante alguns anos de sua carreira, mas com uma adaptação para afixação em seu corpo menos caprichada; porém trocou-o por outros mais modernos. Não gostava de microfones de lapela; preferindo os maiores, mais adequados à sua vestimenta estrambólica. Na Globo, no fim da carreira e da vida, usava um Shure SM58, microfone padrão entre as emissoras de TV.

2. MANOEL DE NÓBREGA


Esta é uma descoberta que fizemos recentemente: o pai artístico de Silvio Santos e fundador da 'dinastia Nóbrega' na televisão, radialista e deputado, um dos mais conhecidos comunicadores dos anos 50 e 60, criador do célebre programa A Praça da Alegria... aparece na foto ao lado de Edith Veiga, durante um quadro do Programa Silvio Santos, ostentando o microfone do amigo. Como não há informações, acreditamos que Manoel estava substituindo Silvio na apresentação do programa, em meados dos anos 70, razão pela qual vestiu o brilhoso microfone. A foto foi descoberta no site oficial da cantora.

3. LÉO SANTOS
Léo (nome artístico de Leon Abravanel), como seu irmão Silvio, fez shows em circos e caravanas, trabalhou em rádio e, na televisão, como animador de auditório aos sábados na Tupi, num programa produzido pela Publicidade Silvio Santos, e era seu substituto oficial nas férias de Silvio aos domingos na Globo. Também esteve à frente do Notícias da Última Hora, um boletim exibido de hora em hora na TVS Rio, primeira emissora de Silvio. Depois, dedicou-se somente aos negócios como executivo do Grupo Silvio Santos até falecer nos anos 80.

4. RAUL GIL

Raul Gil em sua passagem pela emissora usou microfone igual ao de Silvio na condução de seu programa de sábado, mas sem o suporte de pescoço, e segurando-o na mão. Ele era o substituto do Patrão no Programa Silvio Santos naquele tempo, isto escrito em cláusula de seu contrato. Antes de chegar ao SBT, Raul Gil trabalhou em outras emissoras, nas quais usou o microfone preso ao pescoço, tirando-o desta posição apenas para cantar e entrevistar. Na última abertura do Programa Raul Gil na Record, antes de sua transferência para a Bandeirantes, há alguns anos, aparecia uma foto de Raul com o microfone. Ao ver a foto, tente desviar a atenção das estampas do paletó e localizar o microfone...

5. J. SILVESTRE

Um dos mais conhecidos e respeitados mestres de cerimônias televisivos, J. Silvestre integrou o elenco do SBT em seus primórdios, na condução dos programas A Mulher é um Show e Show sem Limite. Usou o microfone famoso no peito por um curto período, mas, antes de ingressar no SBT já havia utilizado outros microfones pendurados no pescoço de forma semelhante, nas emissoras pelas quais havia passado.

6. BOLINHA


O animador do Clube do Bolinha, programa histórico das tardes sabadais da TV Bandeirantes, Édson Cury, utilizou durante algum tempo em meados dos anos 70 um microfone adaptado no pescoço. Na foto, aparece ao lado de sua filha e do cantor Ricardo Coração de Leão, a cujo acervo pertence esta imagem.

7. SÉRGIO CHAPELIN

O respeitado apresentador do Globo Repórter deixou a Globo em 1983 para comandar o Show Sem Limite, programa de auditório do SBT originalmente apresentado por J. Silvestre. Era um sonho antigo dele, ser animador. Além disso, queria fazer propagandas e faturar um dinheirinho, coisa que na Globo não é permitida até hoje para jornalistas. Apesar da boa audiência do programa, retornou à emissora dos Marinho no ano seguinte, pois os comerciais que fizera foram boicotados por lá, dando-lhe pouco retorno financeiro.

8. GUGU LIBERATO


O jovem pupilo do Patrão saiu da Sessão Premiada para apresentar o Viva a Noite. Lá, tornou-se um grande apresentador e conquistou grande audiência... usando por vários anos o microfone de Silvio Santos. Vários vídeos da primeira fase do Viva a Noite mostram Gugu com o apetrecho no pescoço. Com a reformulação do programa, Gugu passou a definir seu estilo próprio, deixou de usar o microfone estiloso mas continuou vestindo terno e gravata.

Em 2000, Gugu teve a clavícula quebrada e precisou ficar com o braço imobilizado. Entrou em cena em seu Domingo Legal utilizando o microfone emprestado do Silvio Santos, para ter mais conforto na apresentação ao vivo do programa. Porém, por falta de prática da técnica do programa e do próprio animador, o microfone apresentou falhas de funcionamento e Gugu acabou usando o seu microfone mesmo, com alguma dificuldade de movimento.



9. PAULO BARBOZA



Conhecido por seu programa de rádio nas emissoras AM paulistanas e cariocas, o comunicador Paulo Barboza trabalhou na televisão no SBT, na Bandeirantes e na Gazeta. Na emissora da Avenida Paulista, Paulo comandou um programa de auditório no final dos anos 80 e começo dos anos 90, no qual agia de forma muito semelhante ao Homem do Baú, além de usar um microfone igual ao de Silvio Santos no peito.

10. OSCAR PARDINI

O conhecido humorista do grupo Café Com Bobagem pode se vangloriar de ser o único imitador de Silvio Santos que usou o microfone oficial do Homem do Baú, fazendo-o em alguns quadros na Praça é Nossa e no Domingo Legal. Não era réplica ou um modelo igual, era o verdadeiro. Tal como Gugu, J. Silvestre e Chapelin, Pardini usava exatamente o mesmo microfone do Silvio, mas com uma diferença: no seu caso o microfone não funcionava.
Pardini, de tão bom imitador do Silvio, ganhou de presente do Patrão um microfone quebrado que pertencia ao próprio animador. Era aquele que Silvio Santos usava no dia em que caiu na água, no programa Topa Tudo por Dinheiro!

11. CEARÁ

O humorista Wellington Muniz, do Pânico na TV, é obcecado por fazer uma imitação bem parecida com o Silvio Santos original. Ele já contou em entrevistas que construiu uma réplica do microfone do Patrão, aproveitando seu conhecimento de torneiro mecânico. Tempos depois, Ceará descobriu qual era o modelo do antigo equipamento e conseguiu comprar um microfone idêntico ao do Silvio, e funcionando. Confeccionou o suporte para pescoço e passou a usar o microfone no palco do Pânico. Nas externas, por questões técnicas, usa a réplica.

Com estas informações encerramos a saga do Microfone, por enquanto. Até surgirem novidades nesse assunto. Espero que as informações apresentadas tenham sido interessantes.

Atualizado em 3/6/2008, 15/6/2008, 17/09/2011 e 17/06/2012.

O Microfone do Silvio Santos - parte 1

Uma das marcas registradas de Silvio é seu microfone, que parece chumbado em seu peito e que muitos acreditam já fazer parte de seu corpo... na verdade ele está pendurado em seu pescoço e, sim, é verdade, Silvio não nasceu com aquele microfone!

Foi César de Alencar o primeiro animador a pendurar o microfone no pescoço, em 1955, no programa Rádio Televisado, da TV Rio, ganhando mobilidade de movimento. Quando começou a apresentar programas na televisão, Silvio ainda usava microfones grandes e pesados, como eram os modelos disponíveis na época, e passava pelos problemas comuns a seus colegas de profissão, de ter de segurar o trambolho e se enroscar nos fios. César de Alencar gozava da admiração de Silvio, que procurava nele características para compor seu próprio estilo, ainda em formação.

Os modelos mais portáteis de microfone existentes naquele tempo eram os americanos fabricados pela Shure, que contavam com um cordão para ser pendurado no pescoço pelo apresentador.


Silvio chegou a usar microfones como este, como o da foto abaixo, fabricado pela Electro Voice, pequeno, precursor dos microfones de lapela atuais (Manoel de Nóbrega usava um semelhante na Praça da Alegria), mas sua imagem se imortalizou com outro modelo de microfone...



MAS, AFINAL, QUE MICROFONE É AQUELE QUE O SILVIO SANTOS USA?


O microfone que estamos acostumados a ver todos os domingos sobre a gravata de Silvio Santos é um modelo de mão fabricado na Alemanha pela Sennheiser, uma reconhecida indústria de equipamentos de áudio profissionais. É o MD 405S, com revestimento metálico, produzido na década de 1960. Ele tem um transmissor "bodypack", não necessitando de fio, e permitindo mobilidade.



O transmissor que costumava ser usado nesse modelo de microfone era o SK1002 da Telefunken, como mostram as fotos abaixo:





Aqui a prova definitiva do que estamos falando: em cena do Topa Tudo por Dinheiro, Silvio, querendo demonstrar como se fazia a brincadeira de pular sobre uma esteira, terminou a performance com o microfone pendurado e o cordão arrebentado, e o transmissor na mão... e se divertindo muito!


"O Silvio Santos fala ou não fala?..."

Repare que o microfone não possuía originalmente os suportes laterais para sustentação em volta do pescoço, que lhe dão a forma de um aviãozinho. Eles ganharam essa adaptação para uma melhor afixação no lugar, já que Silvio se mexia muito e o microfone se deslocava. Além disso, o microfone era feito para ser segurado na mão, e não para ser usado na lapela.

Mas é o mesmo microfone desde aquela época? Ele não quebra? E quando o Silvio caiu no tanque d'água, não quebrou?

Claro que o microfone quebra! E não dissemos que só existe um exemplar; devem existir outros microfones semelhantes. A cápsula do microfone não deve ser a original, pois deve ter quebrado há tempos. O que se sabe é que a Casa dos Microfones em São Paulo é quem conserta os microfones de Silvio. E que nosso herói não se desfaz deles de jeito nenhum.

Nos anos 90 outro microfone, também fabricado pela Sennheiser, e muito parecido com o MD405S, porém moderno, apesar do visual retrô, passou a ser usado por Silvio: o MD 405T. É este que ele usa até hoje. Coincidência ou não, Silvio começou a utilizá-lo justamente após o episódio da queda na água.

O microfone que caiu na água foi danificado, mas continuou a ser utilizado na TV, não mais pelo animador, mas por Oscar Pardini, que usava o microfone para compor a sua imitação de Patrão, no programa A Praça é Nossa.

Descobri outro modelo fabricado nos EUA nos anos 80 muito semelhante ao Sennheiser MD 405S: o Fostex M85RP. Acreditava que este microfone podia ter feito dupla com o clássico Sennheiser, mas descarto essa possibilidade, em razão do tamanho deste modelo, comparado ao antigo microfone alemão.

COMO EU SEI QUE É UM "SENNHEISER"? ISSO NÃO É ENGANAÇÃO?

Claro que não é enganação! Olhe as fotos de Silvio mais de perto. Repare que no topo do microfone existe um pequeno logotipo do fabricante (compare com o microfone Sennheiser que ilustra o post, mais acima):




Pelas fotos dos modelos encontradas na internet e do utilizado pelo Silvio, as únicas alterações externas que se notam foram a inserção das peças laterais para colocação do cordão em torno do pescoço e a retirada do grande botão de liga-desliga que se localiza na parte da frente, para melhorar a aparência.




Pronto! Caso encerrado, missão cumprida. Este é o microfone de Silvio Santos.

Leia as continuações!

Parte 2 - outros artistas que já usaram microfone igual ao do Silvio!

Parte 3 - as vezes em que Silvio Santos não usou o seu famoso microfone!


Muitas informações foram obtidas da única fonte disponível na Internet sobre tão intrigante assunto, o Fórum Audio List.


Atualizado em 15/6/8, 23/7/8 e 23/9/12

5 de fev de 2008

As Vinhetas do SBT

Conforme prometido, continuamos agora a saga em três posts das vinhetas da TVS/SBT.

1989 - Quem Procura Acha Aqui - http://www.youtube.com/watch?v=SxfcibyPm3M
Já mostramos no post anterior a versão TVS do jingle. Com a emissora assumindo de vez o nome SBT, Mário Lúcio de Freitas fez as devidas alterações e também foi trocado o logotipo no filme. De resto, a vinheta é a mesma, como também é a mesma cópia quase fiel da campanha Let's All Be There da NBC: http://www.youtube.com/watch?v=-6CM3gp9gRQ

1990 - Vem que é bom - http://www.youtube.com/watch?v=IWi07YUs2NQ e http://www.youtube.com/watch?v=4mok0_vPUcUO
O novo jingle e o novo slogan seguem o sucesso do Quem Procura Acha Aqui, que é até citado na letra do novo tema. A idéia é a continuidade, nada de imitar a Globo com computação gráfica abstrata e sem sentido; ao contrário, sorrisos, alegria e os artistas da casa. As atrações (incluindo séries, filmes e Chaves) aparecem em edição ágil. São exibidos os estúdios dos programas com ares de bastidores: Hebe, Corrida Maluca, A Praça é Nossa, Sérgio Mallandro, Show de Calouros...
Trata-se de uma cópia da campanha Come Home to the Best, Come to NBC de 1987-88 - http://www.youtube.com/watch?v=cDC5E_H-qEA e http://www.youtube.com/watch?v=t-Qo2RW6_yg, com destaque para, além do jingle, Alf, Cheers, The Cosby Show, Miami Vice e o pentágono de computação gráfica, sobre o qual é inserido o símbolo da emissora. Ah, e as fitinhas coloridas foram tiradas de uma vinheta de outra TV americana, a ABC.

1992 - Aqui Tem - http://www.youtube.com/watch?v=P_CfnHuCdCA
É um videoclipe gravado num estúdio parecido com o do Programa Livre, diante de um videowall (na verdade não era um videowall, pois esse equipamento era caríssimo. Foi o Gugu quem trouxe do Japão uma adaptação mais barata, feita com monitores de TV sincronizados). Silvio, como sempre, não participa dessas gravações. Destacam-se os humoristas da Praça, Jô Soares, Boris Casoy, Vovó Mafalda e Eliana, a estrelinha emergente, além dos contratados mais recentes Serginho Groissman, Lilian Witte Fibe e Miele. Também aparece com destaque a equipe do Aqui Agora.
Mais uma vez a NBC foi imitada nesta campanha. É a versão tupiniquim de The Place to Be, da NBC de 1990 - http://www.youtube.com/watch?v=ETAL55ySNXw. Note que o SBT colocou Feliz interpretando o maestro no lugar de Bill Cosby e deu grande destaque ao comediante Tutuca, que fazia o papel do Chefinho no quadro da Dona Dadá na Praça. De todas, esta é a vinheta menos fiel à original; digamos que foi só uma "mera inspiração", desta vez.

1993 - Se Liga no SBT - http://www.youtube.com/watch?v=JySswK8EJm4
Essa vinheta é muito diferente de tudo o que já vimos no Brasil. Adotou uma linguagem videoclíptica, usando como trilha uma versão da música Get Ready, do Temptation. Ela não enjoa, dá vontade de assistir várias vezes! Uma boy band canta enquanto animações coloridas e transições de imagem dão um show. Quem abre o clipe é a Elke Maravilha, exibindo dotes de cantora lírica; mais uma vez, destaque para os comediantes da Praça, Maria Thereza, Nerso da Capitinga e Ronald Golias; Angélica, a nova contratada, com Eliana e a Vovó Mafalda, na saudosa programação infantil; Nuno Leal Maia e outros atores do núcleo de novelas; Leila Cordeiro e Eliakin Araújo, casal 20 da emissora; o futebol com a Copa do Brasil e o comentarista Telê Santana; cenas da olimpíada de Barcelona-92. Das portas que se abrem saem outras estrelas como a Mara, a Hebe, o Guarda Juju, personagem de Theobaldo, da Praça; Gugu; Nelson Rubens; a equipe do Aqui Agora... em seguida, a vinheta avisa: "Humor", e na tela saltam pessoas com cabeça de televisor dançando, Pica-Pau, Pernalonga, Chaves, Silvio Santos... O baixo e a guitarra indicam: "SBT Informação", com cortes rápidos dos telejornais da rede. Aí aparecem cenas dos filmes programados e, em seguida, microfones com abafadores de espuma colorida, característicos do SBT da época, caem do céu e são apanhados no ar pelos apresentadores. Fim!
Com essa estética multicolorida, "brega tropical", segundo críticos de TV, mas que guarda muita semelhança com aqueles vídeos velhos de curso de inglês, o SBT fez uma duplicata perfeita da campanha Get Ready from CBS, de 1990, em que aparecem estrelas como Whoopy Goldberg e Roseane Barr - http://www.youtube.com/watch?v=eBx6k3iNv-Q

1995 - Fique Ligado - http://www.youtube.com/watch?v=SU8FRSlBYPM
Se a campanha anterior já era fantástica, esta não é menos impressionante. Foram feitas duas versões com mudança apenas no áudio: numa delas eram os artistas da casa quem cantavam (Mário Lúcio, você participou desta também? Fale pra nós!). O jingle é muito legal e dá pra cantarolar o dia inteiro. Os artistas da emissora cantam que o Brasil está ligado no SBT. Destaques para Ronald Golias e Carlos Alberto; Leila Cordeiro, Eliakin Araújo e os filhos; Marcos Caruso, Irene Ravache, Tarcísio Filho e outros atores do núcleo de novelas; Otávio Mesquita; Eliana no cenário do Bom Dia & Cia.; Gugu com as bailarinas do Domingo Legal; Sérgio Mallandro na Vila do Mallandro; a equipe do Aqui Agora; Jô Soares; Silvio Santos no auditório do Topa Tudo; Vovó Mafalda; Denise Fraga no guarda-roupa da emissora; Angélica; Serginho Groissman; Hebe... no final, as letras S, B e T e as "salsichas coloridas" chegam voando e formam o logotipo da emissora.
É mais uma imitação de uma campanha da TV americana, desta vez a ABC, e mais uma vez da temporada 1990-91 (http://br.youtube.com/watch?v=ToiG3mgwVeE), que destacava originalmente produções que viraram clássicos da TV a cabo do final dos anos 90, como America's Funniest Home Videos, MacGyver, Full House, Perfect Strangers, Who's The Boss? e Wonder Years (Anos Incríveis). Não importa, o que fica são é a certeza de que o SBT estava no auge, fazendo cada vez mais sucesso e com um elenco excelente.

1998 - A cara do Brasil - http://www.youtube.com/watch?v=7n3nKliUIJs
Neste ano o SBT já estava instalado no CDT da Anhangüera. Destaques para o programa do Sérgio Reis; as transmissões esportivas da Fórmula CART e da Copa de 98; o primeiro Teleton; o Notícias da Última Hora; Rodolfo e ET e o logotipo furta-cor adotado após os 15 anos da emissora em substituição às barrinhas coloridas. Ainda aparece o Ratinho, que acabava de ser contratado da Record, numa participação no Domingo Legal. Ele ainda não tinha estreado seu programa. Nenhuma gravação foi feita exclusivamente para a vinheta, são apenas cenas editadas.
Essa vinheta não era plágio de nada, até aparecer a última animação do logo da emissora, que é uma cópia do logo da NBC da campanha Come Home to NBC (vídeo lá linkado no post anterior).

2000 - Na nossa frente só você - http://www.youtube.com/watch?v=VYeKRqrA-sg
O SBT deixa de adotar a estética multicolorida típica dos anos 90 para fazer uma campanha mais sóbria. Ainda assim, o mote do maestro regendo a orquestra de televisores é batido e já apareceu várias vezes nas campanhas da NBC dos anos 80. A música é aquela velha conhecida, usada até hoje na espera dos telefones da emissora.Destaques do vídeo: Jacky Petkovic no Bom Dia & Cia.; Celso Portiolli no Passa ou Repassa; SBT Repórter com Hermano Henning; Filó e o Ô Coitado; Silvio Santos emocionado no Em Nome do Amor; Dercy Gonçalves; Chiquititas; filmes da Warner e, claro, o Show do Milhão, maior sucesso do final do século XX.

2001 - 20 anos do SBT - http://www.youtube.com/watch?v=wWtqs-QfL2o
Esse vídeo é realmente histórico, misturando imagens de arquivo, inclusive a cena do discurso de Silvio na assinatura da concessão dos canais da antiga Tupi, que correspondem ao nascimento do SBT, em 19 de agosto de 1981, cenas das vinhetas velhas e cenas dos programas que estavam na grade na época. Todos conhecem bem esta vinheta, razão pela qual mencionarei apenas os programas antigos que aparecem: Canta & Dança com Carla Perez (OK, esse programa não era velho, estava na grade, mas hoje em dia convém lembrar que um dia ele existiu...); Show Sem Limite com J. Silvestre; o Almoço com as Estrelas de Airton e Lolita Rodrigues; Cocktail com Miele (e com as garotas Tim-Tim e as garotas-Estados, claro...); Costinha no humorístico Hoje Show Eu; Musicamp com Christina Rocha e Wagner Montes; Programa Flávio Cavalcanti com o próprio; Aqui Agora; Documento Especial Televisão Verdade; Sessão Desenho no Sítio da Vovó; Mariane; Elke; Moacir Franco Show; Pequenos Brilhantes (estava na grade em 2001); Viva a Noite; Show Maravilha; Ô Coitado; Empório Brasileiro com Rolando Boldrin; Domingo no Parque; Alô Christina e O Preço Certo com Christina Rocha; Bozo e, por fim, o Jornal do SBT com Lilian Witte Fibe.
Acho importante ressaltar a aparição de Aracy de Almeida, Christina Rocha e Carlos Alberto de Nóbrega, com vários humoristas na Praça, demonstrando, de certo modo, o agradecimento de Silvio e do SBT para esses artistas que lhe foram fiéis durante muitos anos de carreira, principalmente Carlos Aberto, que sempre foi um dos melhores amigos de Silvio Santos.
Quanto ao resto do vídeo, descrevê-lo nem valeria a pena; as imagens e a música valem muito mais do que as palavras. Depois da campanha dos 20 anos entendo que o SBT começou uma lenta queda, resultado de uma crise econômica muito grave que provocou cortes e descuidos na qualidade da programação, sentidos até hoje pelos telespectadores. Mas a própria emissora dizia em uma vinheta: "com crise, se cresce". E é o que esperamos.

Continuaremos falando de vinhetas em breve... faltam aquelas que mexeram com as emoções das crianças... sabe quais são?

Agradecimentos: YouTube (especialmente agconline, por postar várias vinhetas), TeleHistória, TudoSobreTV

3 de fev de 2008

As vinhetas da TVS

As vinhetas mais antigas que tivemos o prazer de assistir foram produzidas pelo Scanimate, um computador analógico muito usado entre os anos 70 e 80 para fazer efeitos visuais. Vamos deixar quem sabe nos explicar: segundo nosso oráculo televisivo Igor C. Barros, existiram apenas 8 deles no mundo, e apenas 2 deles fora dos EUA, no México e no Japão, tinham o tamanho de um armário e seus 200 ajustes eram todos manuais. Apesar de ter marcado muito mais a TV dos Estados Unidos, com vinhetas psicodélicas dos anos 70 ou datadas com a estética dos anos 80, emissoras brasileiras como Globo, SBT e Record já tiveram suas vinhetas feitas nos EUA com esses equipamentos, pela Dolphin Productions, embora prefiram não recordar essa época...

Bem, Igor, nós gostamos de recordar aqueles tempos multicoloridos e psicodélicos. E é o que faremos agora! Acompanhe a linha do tempo das vinhetas do SBT, com suas devidas descrições, e veja que, em boa parte delas, a mão de Silvio Santos e a cabeça dos americanos inspirou a equipe de produção da nossa querida emissora. Vamos começar!

1977 - "Tubos girando" http://www.youtube.com/watch?v=vvipgaXiEBs
Uma das primeiras vinhetas da TVS canal 11, Rio de Janeiro inaugurada um ano antes. Três cilindros amarelos compostos pelas palavras "novelas", "filmes" e "shows" estão girando. À frente, aparece a frase "Canal onze apresenta uma nova atração". Então surge o cartão da Censura Federal com o nome do programa.
É uma cópia da vinheta do WPIX 8 o'clock movie - sessão de filmes da WPIX, Nova Iorque, EUA - http://www.youtube.com/watch?v=eSE2DOeJ27E, e a música usada é Hold The Road, de Reg Tilsley.

1979 - "Bingo do Onze" http://www.youtube.com/watch?v=Ndl8a7mbrR0
Números eletrônicos sobem e descem num fundo preto. À frente, surgem bolas coloridas dentro de uma espécie de globo de bingo, que dá lugar à palavra "onze" e a uma forquilha feita de contas coloridas, que parece um terço ou rosário (!), e eis que surge o logo da TVS com o número onze. Não faz o menor sentido? Claro, porque é uma cópia da vinheta da WBAL-TV Channel 11, Baltimore, EUA. Só não posso provar isso porque o YouTube deletou o vídeo americano...

década de 1980 - "Luzes Verdes no Espaço" http://www.youtube.com/watch?v=UkGsIoFBu5c
No meio do espaço, uma estrela emite um brilho forte como a Estrela de Belém. Dela, descem raios de luz cor alaranjada (ou seriam labaredas?) O logo da TVS vem escorregando por esses raios, e depois rodopia em sua forma bidimensional sobre luzes verdes. Um círculo prateado igualmente bidimensional surge para circundar o nome da emissora.
Essa vinheta aparecia antes de começar os programas. Muitas crianças tinham medo dela, enquanto outras encaravam numa boa, esperando começar a Sessão Carrossel, em que passavam desenhos e séries como Punky. Mas o logotipo bidimensional flutuando e a música aterradora foram copiadas da vinheta do Feature Presentation da HBO: http://www.youtube.com/watch?v=cobKjqWOcFw

As três vinhetas descritas acima foram copiadas de emissoras norte-americanas e produzidas pela Dolphin Productions sob encomenda do SBT.

Em seguida, o SBT iniciou uma série de vinhetas e jingles em versões brasileiras de campanhas das principais redes americanas, em especial a NBC. As campanhas Acha Aqui e Quem Procura Acha Aqui eram, de fato, reproduções exatas das estrangeiras e, pelo que se tem notícia, não se tratava de plágio, mas de cópia autorizada, em razão de o SBT ter adquirido pacote de produções distribuídas pela NBC.

1987 - Acha Aqui http://www.youtube.com/watch?v=Ap6nVhdyv_Q - o mais famoso slogan do SBT surgiu em 1987. No vídeo da campanha surge um desfile de filmes, shows, desenhos e programas diante de telespectadores reunidos em casa diante de televisores. O prato principal, no entanto, são os artistas da emissora convidando o público e batendo palmas de forma sincronizada. Foram feitas duas versões, uma para a rede (SBT) e outra para a emissora local de São Paulo e cabeça-de-rede (TVS), prática que se repetiu nas campanhas seguintes até ser abolido o nome TVS. Nessa primeira fase, o Quem Procura Acha Aqui era incipiente, ainda resumido apenas às palavras "Acha Aqui", tal como a campanha que o inspirou, "Be There" da NBC, de 1983: http://www.youtube.com/watch?v=ocJsiJuViFc

1989 - Quem Procura Acha Aqui http://www.youtube.com/watch?v=yPxMwoUrO28
A grande campanha da TVS com seu jingle inesquecível, produzido por Mário Lúcio de Freitas. A campanha tomou ares de superprodução em 1988, quando Silvio anunciou a nova programação, com a contratação de Jô Soares. Depois de tantas vinhetas non sense, finalmente surgem os artistas, as estrelas da emissora, usando fraque dourado e cartola, os desenhos, os filmes, as séries... ainda assim, é um plágio!
Uma imitação fidelíssima da campanha NBC, Let's All Be There, da emissora dos EUA, mais precisamente, a vinheta promocional da temporada 1985-86. A versão nacional não deixa a desejar à americana, apesar de a programação deles ter clássicos como Family Ties, Cheers, The Cosby Show, The Late Show, Miami Vice, Punky e Supermáquina. Por aqui, tinha A Praça é Nossa, o Show Maravilha, o Jô Soares 11:30 e o Veja o Gordo, o Viva a Noite, o Bozo, o Show de Calouros e a Hebe. http://www.youtube.com/watch?v=-6CM3gp9gRQ
Essa vinheta continuou sendo usada com o nome SBT no lugar de TVS após a adoção definitiva daquele nome.

1990 - "Salsichas coloridas no Espaço" http://www.youtube.com/watch?v=BvJyWlKtiGA
Essa vinheta, pelo que sei, foi produzida no Brasil, com a tecnologia disponível pela TVS na época. A trilha sonora, mais uma vez, ficou a cargo de Mário Lúcio de Freitas. Nota-se que a fonte de inspiração, desta vez, foi a série de vinhetas conhecida por "Tubos Coloridos" boladas por Hans Donner para a Globo. O resultado obtido pela TVS ficou bem distante da qualidade da concorrente apesar das figuras poligonais girando e do feixe de luz na pirâmide no melhor estilo Pink Floyd. O nome "salsichas coloridas" eu tirei de um comentário deixado por um usuário do YouTube, e remete às barrinhas que formam arco-íriscamente o logotipo da TVS.

Depois dessa tentativa malfadada de fazer uma vinheta à Globo, o SBT voltou a atacar com campanha videoclípticas no melhor estilo americano do começo dos anos noventa. Brega ou não, o que importa é que estão marcadas em nossa memória. E estarão na próxima postagem de O Baú do Silvio, quando continuaremos a falar de vinhetas.

Agradecimentos: Igor C. Barros, Fernando Morgado.

1 de fev de 2008

Silvio Santos e o Carnaval

A grande participação de Silvio Santos no carnaval ainda está fresca na memória de muita gente: foi na Sapucaí, em 2001, quando Silvio e o elenco do SBT desfilaram o enredo da Tradição em homenagem ao Homem do Baú. O próprio personagem principal esteve no carro abre-alas, com um nada discreto terno prateado. Para os saudosistas, chegou a lembrar a Parada do Dia das Crianças da TVS, e a agitação da avenida e do público foi levada ao ar pela Globo, ao vivo, que cobriu diplomaticamente o evento. Foi a maior audiência do carnaval. No ano seguinte, a Unidos de São Lucas, de São Paulo, homenageou Manoel de Nóbrega, num desfile que contou com os comediantes da Praça, no sambódromo do Anhembi.

Silvio Santos gosta de carnaval. Embora sua emissora não tenha por hábito cobrir a festa, todo ano estão no ar vinhetas especiais com marchinhas cantadas por ele próprio. Aos novatos, que pensam tratar-se de mais uma das excentricidades do patrão, uma explicação é necessária: Silvio Santos gravou dezenas de discos em sua carreira, e é um dos mais importantes intérpretes desse estilo musical.

As marchinhas de carnaval foram a trilha sonora da festa popular durante décadas, desde sua primeira, "Ó Abre Alas", de Chiquinha Gonzaga (1899). O auge do gênero foi entre os anos de 1930 e 1950. Mas, com a elevação dos custos de produção e a ascensão da música estrangeira, a indústria fonográfica tirou-lhe o apoio. O samba-enredo e os desfiles de escolas de samba ganharam mais destaque, pois permitiam investimento turístico e televisivo.

Entende-se que Silvio Santos e Braguinha (um dos maiores compositores carnavalescos) foram os grandes responsáveis por manter a marchinha carnavalesca viva durante seu declínio. Bom lembrar que Chacrinha também tinha suas marchinhas, assim como Gugu, que também gravou discos no início da carreira, inspirado por Silvio Santos).

OS COMPOSITORES DE SILVIO

As marchinhas de sucesso de Silvio Santos foram, em sua maioria, compostas pelo casal Manoel Ferreira e Ruth Amaral, que conheceu em 1962, quando seu programa de domingo na TV Paulista estreava e tinha só uma hora de duração. Segundo os compositores, foram as marchinhas que lançaram Silvio na carreira de cantor, pois antes ele somente era locutor de rádio e iniciava na televisão. Foram 16 anos gravando discos dos autores, sendo que Silvio venceu concursos de marchinhas em 10 carnavais! Para Ruth e Manoel, Silvio é o Frank Sinatra de suas composições.

Outro compositor que merece ser lembrado é Leopoldo Gentil Junior ou, simplesmente Gentil Junior, que compunha em parceria com Ruth e Manoel. Inspirado, desenvolvia suas idéias enquanto o casal se dedicava à distribuição das músicas, já que Gentil era dedicado ao ensino, sendo professor e diretor de escola, não tendo disponibilidade para tal, nem vaidade em ser reconhecido. Apesar de pouco citado, Gentil Junior merece ser lembrado, e a Sociedade Administradora de Direitos de Execução Musical do Brasil (Sadembra) atesta sua participação em composições que foram imortalizadas por Silvio Santos.

Alguns dos sucessos de Ruth Amaral e Manoel Ferreira com o gogó de Silvio:

  • "Transplante Corinthiano" (1968, Compacto Simples, Copacabana), aborda dois assuntos que vieram à cabeça do compositor Gentil Junior: o Corinthians dos anos 1960-70 que não ganhava títulos e a primeira cirurgia de transplante de coração. - "Doutor, eu não me engano/O coração é corinthiano... Eu não sabia mais o que fazer/Troquei o coração cansado de sofrer..."
  • "Marcha do Barrigudinho" (1968, Compacto simples, Copacabana), também composta em parceria com Gentil Junior - "Um homem pode ser careca/baixinho e barrigudo/mas se tiver dinheiro/ele está com tudo..."
  • "A Bruxa" (1970, Compacto simples, Odeon) - "Ai, a bruxa vem aí/E não vem sozinha/Vem na base do saci... Pula, pula, pula/Numa perna só/Vem largando brasa/No cachimbo da vovó!"
  • "Gigi" (1977, Compacto Simples, RCA Victor) - "Gigi, eu chego lá/Me dá uma colher de chá/Deslumbrada/Boneca, eu sou teu fã/Eu te quero hoje/Não tem nada de amanhã",
  • "Eu gosto da minha sogra" (desconhecido)- "Eu gosto da minha sogra/Deixa falar quem quiser/É minha segunda mãe/É mãe de minha mulher..."
Silvio gravou nos anos 80 marchas de outros compositores, mas as maliciosas "Papai pão duro" e "Marchinha do pintor" não fizeram sucesso.

Então, Silvio voltou a gravar as canções de Manoel e Ruth, emplacando no carnaval de 1987 "A Pipa do Vovô", seu último grande sucesso de carnaval: "A pipa do vovô não sobe mais/Apesar de fazer muita força/O vovô foi passado pra trás.../Ele tentou mais uma empinadinha/A pipa não deu nenhuma subidinha". A musiquinha mais inocente e a malícia sutil da letra mostraram a Silvio qual era o seu caminho como cantor.

Além disso, freqüentemente o casal de compositores participava do Programa Silvio Santos cantando suas músicas.




Eles têm um site oficial com informações, marchinhas, áudios e vídeos: http://www.manoelruth.com.br/


AS MARCHINHAS HOJE
As vinhetas do Carnaval com as marchinhas na voz de Silvio Santos são uma tradição na programação do SBT. Além disso, vez por outra em brincadeiras no Tentação ou em outros programas de domingo Silvio e o auditório cantam alguma famosa... e no Qual é a Música, às vezes as sabatinas são feitas em torno dessas canções. Lombardi também arrisca como cantor de vez em quando nessas brincadeiras.

DISCOGRAFIA DE SILVIO SANTOS
A Página do Silvio Santos é o melhor site sobre nosso herói na internet, mesmo pouco atualizado. Tem a discografia (incompleta) do animador, de onde se extraem várias raridades. Lá é possível ver partituras de algumas músicas e baixar outras poucas. Também dá para ver os discos infantis do Bauzinho Encantado. http://www.paginadosilviosantos.com/


YOUTUBE BÔNUS

1992 - Transplante Corinthiano e, de quebra, a abertura da Sessão Desenho com a Vovó

1997 - A pipa do vovô

2001 - Vinheta do Samba-Enredo da Tradição - O Homem do Baú

O SBT transmitiu à exaustão essa vinheta. Neste ano a Globo não fez vinheta divulgando esta escola de samba, mas a concorrente tratou de resolver a situação...

FURO DE REPORTAGEM!
Para nossa surpresa, no domingo, 3 de fevereiro, o caderno Metrópole, de O Estado de S. Paulo, publicou longa reportagem de página inteira com Ruth Amaral e Manoel Ferreira, com várias informações que já haviam aparecido antes aqui. Um furo de reportagem para O Baú do Silvio antecipando-se, sem querer, a um dos maiores jornais do país!

AGRADECIMENTO
A Vitor Gentil Bellot, neto do compositor Gentil Junior, que nos passou informações valiosas para o enriquecimento e o aperfeiçoamento deste assunto e, principalmente, para a valorização da memória de seu saudoso avô.

atualizado em 13/2/2011
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As mais lidas